Leia também:
X Rússia vai expandir ofensiva na Ucrânia ‘para todas as direções’

Ucrânia recusa ultimato da Rússia: “Condições inegociáveis”

Afirmação foi feita por Mykhailo Podolyak, assessor do gabinete do presidente Volodymyr Zelensky

Pleno.News - 26/02/2022 15h57 | atualizado em 26/02/2022 16h19

Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky
Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky Foto: EFE/EPA/ALEXANDRA BEIER / POOL

Neste sábado (26), o governo da Ucrânia disse que não pretende aceitar nenhum ultimato da Rússia ou qualquer tipo de condição ‘inaceitável’ vinda do país vizinho. Em entrevista à agência Reuters, Mykhailo Podolyak, assessor do gabinete do presidente Volodymyr Zelensky, disse que estava preparando uma “posição de negociação”, mas que os russos vieram com “condições inegociáveis”.

A invasão à Ucrânia começou na madrugada de quinta-feira (24). O anúncio da “operação militar no leste da Ucrânia” foi feito pelo presidente russo, Vladimir Putin, em um discurso transmitido na televisão na madrugada de quinta-feira (24). De acordo com ele, o “objetivo é proteger as pessoas que são submetidas a abusos, genocídio de Kiev durante oito anos, e, para isso, buscaremos desmilitarizar e desnazificar a Ucrânia e levar à Justiça aqueles que cometeram vários crimes sangrentos contra pessoas pacíficas, incluindo cidadãos russos”.

Ao veículo, Mykhailo Podolyak disse que a Ucrânia pretende negociar um cessar-fogo com a Rússia, mas que é preciso melhores condições.

Uma das condições determinadas pela Rússia para parar com os ataques foi que a Ucrânia se desmilitarize.

Leia também1 Rússia vai expandir ofensiva na Ucrânia 'para todas as direções'
2 Em meio à guerra, site oficial do governo russo fica fora do ar
3 Três seleções se recusam a jogar contra a Rússia no futebol
4 Moro critica Bolsonaro e Lula: "Alinhados com ditaduras"
5 3,5 mil soldados russos morreram, diz diplomata ucraniano

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.