Leia também:
X Joe Biden anuncia Ketanji Brown Jackson para Suprema Corte

Talibã pede “meios pacíficos” e “diálogo” entre Ucrânia e Rússia

Grupo extremista divulgou nota pedindo que os dois países garantam a proteção dos afegãos

Paulo Moura - 25/02/2022 13h57 | atualizado em 25/02/2022 14h01

Apesar de estar longe de ser um exemplo de pacifismo e de diplomacia, o grupo extremista Talibã, que assumiu o comando total do Afeganistão em agosto de 2021, pediu que Ucrânia e Rússia resolvam a crise atual entre os dois países por meio do “diálogo” e de “meios pacíficos”.

– O Emirado Islâmico do Afeganistão pede a contenção das duas partes [Rússia e Ucrânia]. Todos os lados precisam desistir de defender posicionamentos que podem intensificar a violência – disse o comunicado publicado pelo porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Abdul Qahar Balkhi.

Nota divulgada por porta-voz do Talibã, grupo que governa o Afeganistão Foto: Reprodução/Twitter

Além de invocar o pacifismo, a nota emitida pelo Talibã ainda diz que “o Emirado Islâmico do Afeganistão está monitorando a situação” e pede que os dois países envolvidos no conflito garantam a proteção da vida dos estudantes e imigrantes afegãos que vivem atualmente na Ucrânia.

A postura pedida pelo grupo na nota destoa completamente das atitudes tomadas pelo Talibã, sejam elas nos últimos anos ou recentemente, quando ficaram conhecidos por um histórico de ampla violação de direitos humanos, com práticas como a repressão violenta contra opositores, jornalistas, e a imposição de diversas proibições às mulheres.

Leia também1 Jovem Pan News exibe imagens de videogame como se fossem da Ucrânia
2 Senador Jaques Wagner desiste de disputar governo da Bahia
3 Putin convoca militares da Ucrânia a tomarem o poder
4 Turista português é agredido por assaltantes na Zona Sul do Rio
5 Morre Elmira Pasquini, líder da Portas Abertas no Brasil

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.