Leia também:
X Fiocruz prevê vacinar 130 milhões contra a Covid em 2021

Boris Johnson diz que não haverá vacinação obrigatória

"Não é assim que as coisas funcionam aqui", declarou primeiro-ministro do Reino Unido

Pleno.News - 23/11/2020 18h57 | atualizado em 23/11/2020 20h13

Boris Johnson, primeiro-ministro britânico Foto: Reprodução

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirmou nesta segunda-feira (23), em entrevista coletiva que não haverá vacinação compulsória no país contra a Covid-19.

– Não é assim que as coisas funcionam aqui – disse.

Ele reforçou a importância de buscar com que todos sejam imunizados e comentou que foram compradas 100 milhões de doses da vacina da AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. No total, o país terá mais de 300 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19, incluindo as da Pfizer em conjunto com a BioNTech.

– Fantásticas notícias, mas ainda levará meses para a vacinação necessária. Os próximos meses serão duros – disse Johnson.

As declarações dele foram em referência ao inverno, citando medidas de restrição aplicadas regionalmente, previstas para durarem a principio até março. Johnson afirmou que há um enorme desafio logístico na distribuição de vacinas, e que, no momento, realizar testes e isolar infectados é “crucial”.

Falando de forma hipotética, e em um cenário otimista, o primeiro-ministro projetou que na Páscoa do próximo ano pode ser possível esperar a atividade econômica e rotineira com menos restrições, com a maior parte das pessoas no grupo de risco vacinadas.

*Estadão

Leia também1 Para OMS, renunciar às festas de fim de ano é 'aposta mais segura'
2 Trump diz que Acordo de Paris "mata a economia americana"
3 Guatemala: Governo considera incêndio um 'ato terrorista'
4 Depois de 16 anos, Brasil voltará a presidir o G20 em 2024
5 Caso Robson: Bolsonaro e Putin chegam a acordo por liberação

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.