Leia também:
X OMS cobra verba de países ricos para acelerar vacinação mundial

Reino Unido atrasa última etapa da reabertura para 19 de julho

Anúncio foi feito nesta segunda-feira

Pleno.News - 14/06/2021 15h38 | atualizado em 14/06/2021 16h11

Boris Johnson, primeiro-ministro britânico Foto: Divulgação/Governo do Reino Unido

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou nesta segunda-feira (14) que o fim das restrições impostas pela pandemia da Covid-19 será adiado até 19 de julho. Não acontecerá mais em 21 de junho, como estava programado, devido ao impacto da variante Delta do coronavírus.

Durante uma entrevista coletiva, Johnson declarou que essa medida oferece à Saúde britânica “mais algumas semanas” para avançar na campanha de vacinação e, assim, administrar as duas doses da vacina em pelo menos dois terços da população adulta até 19 de julho.

Apesar disso, o primeiro-ministro britânico disse estar “confiante” de que, se o número de hospitalizações for reduzido, o fim da escalada possa ser antecipado em duas semanas.

Além disso, Johnson reconheceu que seu governo estava ciente de que a abertura da sociedade traria um aumento de infecções e hospitalizações, mas o surgimento da nova variante Delta, inicialmente identificada na Índia e muito mais contagiosa, fez com que o vírus se propagasse rápido.

– Embora a ligação entre infecção e hospitalização tenha sido enfraquecida, ela não foi quebrada – disse o premiê britânico.

Johnson também destacou que o número de pacientes internados em terapia intensiva está aumentando.

Com a nova variante, os casos crescem em média 64% por semana; e, nas áreas mais afetadas, estão dobrando nesse período, enquanto o total de hospitalizados cresce 50% a cada semana.

Por todas essas razões, Johnson concluiu que não existem condições para avançar para a etapa 4 do desconfinamento, a partir da qual as restrições sociais seriam levantadas e a reabertura de casas noturnas e a retomada de grandes eventos esportivos e culturais seriam permitidas.

Apesar de tudo, Johnson considerou que a sociedade deve “aprender a conviver com o vírus”, uma vez que este não pode ser totalmente eliminado.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 OMS cobra verba de países ricos para acelerar vacinação mundial
2 Otan vê avanço militar da China com preocupação e cita 'desafio'
3 Carro é engolido por buraco em estacionamento da Índia
4 Presidente da Microsoft fala em 'vacina' contra a desinformação
5 Putin nega ter mandado matar o opositor Alexei Navalny

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.