Leia também:
X Cidade criminaliza protestos em eventos com drag queens

Putin anuncia posicionamento de armas nucleares em Belarus

Líder russo diz que "não viola as obrigações da Rússia em relação a não proliferação nuclear"

Pleno.News - 26/03/2023 13h32 | atualizado em 27/03/2023 16h58

Vladimir Putin Foto: EFE/EPA/GAVRIIL GRIGOROV / SPUTNIK / KREMLIN

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou, neste sábado (25), um acordo com Belarus para a implantação de armas nucleares táticas no território bielorusso, que faz fronteira com a Ucrânia.

– Não há nada de extraordinário aqui. Em primeiro lugar, os Estados Unidos fazem isso há décadas. Eles colocaram suas armas nucleares táticas há muito tempo no território de seus países aliados, os países da Otan, na Europa. Se não me falha a memória, em seis países: Alemanha, Turquia, Holanda, Bélgica, Itália e Grécia – declarou Putin à televisão pública russa.

O governante russo enfatizou que esse acordo não viola as obrigações da Rússia em relação a não proliferação nuclear e antecipou que em 3 de abril começará o treinamento dos militares bielorrussos e em 1º de julho será concluída a construção de um silo para colocar essas armas no país vizinho.

– Nós não os cedemos. Os Estados Unidos também não os cedem a seus aliados – acrescentou, especificando que Moscou já modernizou os aviões da Força Aérea de Belarus para transportar essas armas.

Putin reconheceu que o estopim do anúncio foi a decisão do Reino Unido de fornecer ao Exército ucraniano munições com urânio empobrecido, embora Londres assegure que não se trata de uma arma nuclear.

– Seja como for, isso está relacionado à tecnologia nuclear. É algo óbvio – considerou Putin.

Embora Putin tenha lembrado ainda que o presidente de Belarus, Aleksandr Lukashenko, há muito havia solicitado a implantação desse tipo de arma no solo da ex-república soviética.

Além disso, Putin recordou que Moscou já forneceu a Minsk mísseis táticos Iskander e que estes também são capazes de carregar cargas nucleares.

A Ucrânia acusou repetidamente Belarus de ser cúmplice na atual campanha militar, embora Lukashenko esteja se escondendo atrás da militarização de suas fronteiras pela Otan.

Hoje, o governante russo reconheceu que a munição britânica não é considerada uma arma de destruição em massa, mas frisou que se trata de uma arma “mais perigosa”, especialmente porque cria uma nuvem radioativa altamente poluente após o impacto.

– Devo dizer que a Rússia, claro, tem com o que responder. Sem exagero, temos centenas de milhares, centenas de milhares desses projéteis. Ainda não os usamos – declarou.

Por fim, admitiu que as armas ocidentais representam “uma ameaça” para a Rússia, mas alertou que isso apenas prolongará o conflito e “só levará a uma grande tragédia, nada mais”.

*EFE

Leia também1 Xi firma 14 acordos com Putin, em meio a pressão dos EUA
2 Após ordem de prisão de Putin, Rússia processa membros do TPI
3 Putin elogia papel da China na resolução do conflito; saiba mais
4 Rússia: Ordem de prisão contra Putin é "nula" e "inadmissível"
5 Ex-espião afirma que Vladimir Putin estaria usando dublês

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Canal
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.