Leia também:
X Papa Bento XVI acobertou padre suspeito de abusos, diz jornal

Para Macron, não vacinados contra a Covid não são cidadãos

Presidente francês disse que sua estratégia é irritar os não vacinados

Pierre Borges - 05/01/2022 11h11 | atualizado em 05/01/2022 17h35

Presidente da França, Emmanuel Macron Foto: EFE / EPA / LUDOVIC MARIN /

O presidente da França, Emmanuel Macron, disse nesta terça-feira (4), em entrevista ao jornal Le Parisien, que quer “irritar” os franceses não vacinados contra a Covid-19. Ele disse ainda que aqueles que se recusam a receber o imunizante são “irresponsáveis” e que “uma pessoa irresponsável não é mais uma cidadã”.

– Eu não quero irritar os franceses. Passo o dia inteiro reclamando com a equipe de governo quando isso acontece. Mas os não vacinados, eu realmente quero irritá-los. E vamos continuar fazendo isso até o final. Essa é a estratégia – declarou.

Macron disse ainda que o grupo que recusa as vacinas contra a Covid possui uma “imensa falha moral” e que a liberdade de uma pessoa não deveria ameaçar os outros.

– Eles [os não vacinados] vêm para minar a força de uma nação. Quando minha liberdade ameaça a dos outros, torno-me irresponsável. Uma pessoa irresponsável não é mais uma cidadã – afirmou o presidente francês.

Macron disse ainda que não irá vacinar ninguém à força, mas irá limitar o acesso dos não vacinados a “tantas atividades sociais quanto possível”.

– Eu não vou colocar [os não vacinados] na cadeia. Eu não vou vacinar ninguém à força. Então precisamos dizer a eles, a partir de 15 de janeiro, “vocês não poderão mais ir a um restaurante, a um bar, café, teatro ou cinema”. Nós pressionamos os não vacinados limitando o acesso deles a tantas atividades sociais quanto possível – disse.

O termo “emmerder”, usado por Macron para dizer que quer irritar os não vacinados, é considerado vulgar no país e provocou reação negativa de forma imediata entre seus críticos e opositores. A líder de um partido de direita e pré-candidata à Presidência da França, Marine Le Pen, disse no Twitter que Macron não é digno do cargo que ocupa.

Ela publicou o seguinte:

– Um presidente não deveria dizer isso. Quem deveria garantir a unidade da nação persiste em dividi-la e assume que quer transformar os não vacinados em cidadãos de segunda classe. Emmanuel Macron não é digno de seu cargo.

Após a declaração de Macron, parlamentares da oposição também criticaram a fala do presidente, e o Parlamento decidiu suspender o debate sobre a aprovação de uma legislação que permitirá apenas aos vacinados a entrada em locais como cinemas e restaurantes.

Leia também1 Marido de Amanda Wanessa fala do estado de saúde da esposa
2 "Querem politizar uma tentativa de homicídio", diz Bolsonaro
3 Polícia guincha "carrinho de brinquedo" de menina de 7 anos
4 Luiza canta música gospel em homenagem a Maurílio
5 Márcio França, ex-governador de SP, é alvo de operação policial

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.