Leia também:
X Evo Morales cita Lula e fala em “rebelião democrática”

Palestino mata cinco pessoas durante ataque em Tel Aviv

Atirador foi morto pela polícia

Pleno.News - 29/03/2022 21h11 | atualizado em 30/03/2022 11h39

Palestino mata 5 pessoas em ataque a tiros no centro de Israel Foto: EFE/EPA/ABIR SULTAN

Nesta terça-feira (29), um atirador em uma motocicleta abriu fogo em uma cidade lotada no centro de Israel. O homem acertou metodicamente as vítimas e deixou ao menos cinco mortos.

O atirador foi morto pela polícia.

Este foi o mais recente de uma série de ataques de árabes no país antes do mês sagrado muçulmano do Ramadã e do aniversário da guerra de Gaza de 2021. A mídia israelense disse que o agressor era um palestino da Cisjordânia.

Os dois ataques anteriores, realizados por cidadãos árabes de Israel inspirados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI), levantaram preocupações de mais violência.

– Israel está diante de uma onda de terrorismo árabe assassino – declarou o primeiro-ministro Naftali Bennett.

As autoridades israelenses ainda não determinaram se a série de ataques foi organizada ou se os agressores agiram individualmente. Os militares israelenses anunciaram que enviariam tropas adicionais para a Cisjordânia, e o chefe de polícia elevou o nível de prontidão nacional ao máximo.

Imagens de vídeo amadoras exibidas na televisão israelense pareciam mostrar o atirador em uma camisa preta armado com um fuzil de assalto parando um veículo em movimento e atirando no motorista. Outro o mostrava perseguindo um ciclista, com a arma parecendo travar enquanto ele tentava atirar.

CIDADE ULTRAORTODOXA
Os disparos desta terça-feira ocorreram em dois locais de Bnei Brak, uma cidade ultraortodoxa a leste de Tel Aviv.

A polícia informou que uma investigação preliminar descobriu que o atirador estava armado com um fuzil de assalto. Ele abriu fogo contra os pedestres antes de ser baleado por policiais no local.

O serviço de paramédicos Magen David Adom confirmou que cinco pessoas foram mortas. A polícia comunicou que uma das vítimas era um policial que chegou ao local e atacou o atirador.

AUTORIDADES SE MANIFESTAM
O ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, escreveu no Twitter que as forças de segurança “trabalharão com todos os meios para devolver a segurança às ruas israelenses e a sensação de segurança aos civis”.

A mídia israelense informou que o suposto atirador era um palestino de 27 anos da cidade de Yabad, no norte da Cisjordânia A polícia não forneceu imediatamente informações sobre o suspeito.

Na Cisjordânia ocupada por Israel, o presidente palestino, Mahmoud Abbas, condenou o ataque.

– A morte de civis israelenses ou palestinos só leva a uma maior deterioração da situação e instabilidade, que todos nós nos esforçamos para alcançar, especialmente quando nos aproximamos do mês sagrado do Ramadã e feriados cristãos e judaicos – pontuou Abbas.

Ele ainda disse que a violência “confirma que a paz permanente, abrangente e justa é o caminho mais curto para fornecer segurança e estabilidade para os povos palestino e israelense”.

Nenhum grupo palestino reivindicou imediatamente a responsabilidade pelo ataque. O grupo militante islâmico Hamas elogiou a “operação heroica”, mas não chegou a reivindicar a responsabilidade. Mesquitas na Faixa de Gaza governada pelo Hamas ressoaram com gritos de “Deus é Grande” comemorando o ataque.

TENSÃO
Nas últimas semanas, Israel vem tomando medidas destinadas a acalmar as tensões e evitar uma repetição do ano passado, quando confrontos entre a polícia israelense e manifestantes palestinos em Jerusalém se transformaram em uma guerra de 11 dias entre Israel e o Hamas.

Mas a nova onda de violência está complicando muito esses esforços. No último domingo, dois homens armados mataram dois jovens policiais durante um ataque a tiros na cidade central de Hadera. E, na semana passada, um suspeito atropelou e esfaqueou quatro pessoas em um ataque na cidade de Berseba, no sul.

Mais cedo, nesta terça-feira, os serviços de segurança israelenses invadiram as casas de pelo menos 12 cidadãos árabes e prenderam 2 suspeitos de ter ligações com o EI em uma repressão desencadeada pelos recentes ataques.

Horas antes, Bennett disse que os episódios de violência dentro de Israel marcavam uma “nova situação” que exigia medidas de segurança reforçadas.

Autoridades policiais informaram que 31 casas e locais foram revistados durante a noite, no norte de Israel, numa área que abrigava os atiradores que realizaram o ataque a Hadera. O EI reivindicou a responsabilidade pelos dois ataques anteriores.

Todos os ataques ocorrem pouco antes do Ramadã, que começa no sábado, e com Israel sediando uma reunião de alto nível esta semana entre os ministros das Relações Exteriores de quatro nações árabes e os Estados Unidos.

Ataques mortais do EI e de cidadãos árabes dentro de Israel são raros. O grupo opera principalmente no Iraque e na Síria, onde recentemente intensificou os ataques contra as forças de segurança. Ele não controla mais nenhum território, mas opera por meio de células adormecidas. O EI reivindicou ataques contra tropas israelenses no passado e tem filiais no Afeganistão e em outros países.

*AE

Leia também1 Evo Morales cita Lula e fala em "rebelião democrática"
2 Série The Chosen retrata Cristo pelo olhar de seus seguidores
3 Disney diz que vai lutar pela revogação da lei Don't Say Gay
4 Jada Smith quebra o silêncio após polêmica do tapa no Oscar
5 Miguel Van Damme, goleiro do Brugge, morre aos 28 anos

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.