Leia também:
X Colômbia: Eleição terá 2º turno entre conservador e esquerdista

MP do Peru amplia investigação contra presidente Pedro Castillo

Líder está sob investigação por várias denúncias de suposta corrupção

Pleno.News - 30/05/2022 08h27 | atualizado em 30/05/2022 09h05

Pedro Castillo Foto: EFE/Paolo Aguilar

O procurador-geral do Peru, Pablo Sánchez, ordenou a ampliação da investigação preliminar contra o presidente Pedro Castillo pelos supostos crimes de organização criminosa, tráfico de influência agravado e conluio agravado, segundo informou o Ministério Público neste domingo (29).

Castillo está sob investigação desde o ano passado por várias denúncias de suposta corrupção relacionadas à adjudicação irregular da compra de biodiesel, por pressão sobre promoções de militares e pela licitação para a construção de uma ponte na região de San Martín por meio de uma suposta máfia rede instalada no Ministério dos Transportes e Comunicações.

Por meio de mensagem no Twitter, o MP peruano especificou que será garantido ao presidente “o pleno exercício do seu direito de defesa e respeito ao artigo 117 da Constituição”, que estabelece que só pode ser acusado, durante seu mandato, por traição à pátria; por impedir eleições presidenciais, parlamentares, regionais ou municipais; ou por dissolver o Congresso.

As investigações contra Castillo se devem, em parte, aos depoimentos da empresária Karelim López, que acusou o chefe de Estado e seu entorno mais próximo de terem formado uma rede criminosa para adjudicar ilegalmente contratos e obras do governo.

Durante um interrogatório perante a Comissão de Fiscalização do Congresso, López mencionou entre os supostos membros da organização o ex-secretário presidencial Bruno Pacheco, bem como ex-ministros, empresários e sobrinhos do governante, para os quais foram decretados 36 meses de prisão preventiva, mas que estão atualmente foragidos da Justiça.

– Confirmo que ele (Castillo) é o líder e que dá as ordens porque seus sobrinhos não levaram empresários para vê-lo por gratidão – declarou López na ocasião.

No início do ano, a ex-procuradora-geral, Zoraida Avalos, havia decidido suspender as investigações contra Castillo, até o final de seu governo (em 2026), depois de tê-lo submetido a um interrogatório, mas o Ministério Público continuou com as investigações contra os demais envolvidos. Por sua parte, Castillo sempre rechaçou essas acusações.

Após ouvir as declarações de López perante o Ministério Público, a oposição apresentou no último mês de março uma moção para destituir o presidente por “suposta incapacidade moral”, um pedido que foi finalmente rejeitado pelo plenário do Congresso.

*EFE

Leia também1 Carlinhos Maia diz que teve casa invadida e bens furtados
2 Colômbia: Eleição terá 2º turno entre conservador e esquerdista
3 Tríplex em SP relacionado a Lula é sorteado. Veja o ganhador!
4 Tatuador revela detalhes sobre tatuagem "polêmica" de Anitta
5 Santos Cruz sobre infarto: "Não morri porque estava no hospital"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.