Leia também:
X Alberto Fernández promete melhorar salários na Argentina

Maduro conversa com presidente eleito do Irã, Ebrahim Raisi

"Concordamos em fortalecer nossos laços de irmandade", disse o líder venezuelano

Pleno.News - 23/06/2021 20h51

Nicolás Maduro Foto: Reprodução

Nesta quarta-feira (23), Nicolás Maduro conversou por telefone com o presidente eleito do Irã, Ebrahim Raisi, e disse que eles concordaram em estreitar os laços entre os países.

– Tive uma conversa por telefone com Seyed Ebrahim Raisi, presidente eleito da República Islâmica do Irã. Concordamos em fortalecer nossos laços de irmandade e cooperação para avançar na luta conjunta contra as agressões imperiais contra nossos povos – escreveu Maduro.

A declaração foi publicada em sua conta do Twitter.

No último sábado (19), o governo venezuelano saudou a eleição de Raisi e felicitou o povo iraniano pelo “desenvolvimento impecável, democrático e participativo” das eleições realizadas um dia antes.

Em seguida, o governo venezuelano disse ao presidente eleito iraniano que tem com o “apoio incondicional” de Maduro “e da revolução bolivariana” para aprofundar “ainda mais” as relações entre os dois países e “assim enfrentar as batalhas pela justiça social, dignidade e soberania”.

Raisi obteve uma vitória confortável e esperada com 61,9% dos votos nas eleições presidenciais iranianas, mas a participação eleitoral foi excepcionalmente baixa para os padrões do país.

O triunfo de Raisi foi dado como certo porque seus adversários não acreditavam na credibilidade do pleito, o que também influenciou na falta de interesse por parte da população.

Conforme anunciado em entrevista coletiva pelo Ministro do Interior iraniano, Abdolreza Rahmani Fazli, o presidente eleito obteve 17.926.345 de um total de 28.933.004 votos, ou seja, 61,9%.

Dos 59 milhões de iranianos convocados às urnas, apenas 48,8% compareceram, o número mais baixo de todas as eleições presidenciais realizadas desde o triunfo da Revolução Islâmica em 1979.

O Irã é um dos principais aliados do governo Maduro no mundo e, seus laços, se estreitaram ainda mais em 2020, quando a Venezuela atravessou uma forte escassez de gasolina e os sul-americanos foram à nação persa comprar combustível.

*EFE

Leia também1 Alberto Fernández promete melhorar salários na Argentina
2 Casa Branca evita responder se Biden discutiu juros com Fed
3 Presidente da Hungria assina lei que proíbe temas LGBT
4 Kamala Harris visitará fronteira dos EUA com o México
5 Rússia reivindica ataque a navio britânico, mas Reino Unido nega

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.