Leia também:
X Mais de 1.100 mulheres foram mortas no Brasil em 2017

Juiz ordena que Casa Branca devolva credencial de repórter

Jornalista da CNN ficou proibido de trabalhar no local após discussão com Trump

Jade Nunes - 16/11/2018 15h39

Estagiária tentou pegar microfone da mão de jornalista Foto: EFE/Erik S. Lesser

O juiz federal Timothy J. Kelly ordenou nesta sexta-feira (16) à Casa Branca que devolva o credenciamento ao jornalista Jim Acosta, da CNN, que foi proibido de trabalhar no local após discutir com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante uma entrevista coletiva.

O magistrado considerou que a Casa Branca não agiu de acordo com as normas para retirar a credencial de Acosta. A decisão, porém, é temporária, já que o veto pode ser efetivado caso o governo cumpra o processo correto.

– O juiz (Timothy Kelly) ficou ao lado da CNN e disse que a Casa Branca estava equivocada ao retirar o credenciamento de Jim Acosta – informou a própria emissora, que tenta agora convencer a justiça americana de que a proibição é inconstitucional, para que a decisão judicial se torne permanente.

O jornalista Jim Acosta impediu que lhe tirassem o microfone Foto: EFE/Erik S. Lesser

O episódio que gerou a polêmica medida aconteceu na semana passada. Durante uma entrevista coletiva, o jornalista questionou Trump se havia “demonizado” imigrantes ilegais durante a campanha para as eleições legislativas.

– Largue o microfone. Te direi uma coisa, a CNN deveria estar envergonhada de si mesma por ter você trabalhando para ela. Você é rude e horrível – disse Trump, que pediu a uma estagiária para tirar o microfone de Acosta e passá-lo a outro repórter. Mas o jornalista a impediu, mantendo-o em sua mão direita enquanto usava o braço esquerdo para bloqueá-la, e houve um rápido contato.

Em comunicado divulgado pela porta-voz, Sarah Sanders, a Casa Branca justificou a retirada da credencial com base no episódio.

– Trump acredita na liberdade de imprensa e espera perguntas difíceis sobre ele e o seu governo. No entanto, nunca toleraremos que um jornalista ponha as mãos sobre uma jovem mulher que só está tentando fazer o seu trabalho como estagiária da Casa Branca. Este comportamento é inaceitável – diz a nota.

Mais tarde, enquanto Acosta deixava a residência presidencial, um membro do Serviço Secreto pediu que ele entregasse sua credencial, como pôde ser visto em um vídeo divulgado pelo próprio jornalista no Twitter.

Na terça-feira, a CNN apresentou uma ação em um tribunal do Distrito de Columbia contra Trump e cinco membros de sua equipe por retirar a credencial permanente de Acosta e acusou o governo de ter violado a primeira e a quinta emendas da Constituição, que defendem o direito à liberdade de expressão e a não considerar alguém como culpado sem julgamento prévio, respectivamente.

Mais de dez veículos de imprensa, incluindo a Fox News, rede de televisão que costuma apoiar as políticas de Trump, manifestaram apoio à CNN neste caso.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Casa Branca critica processo da CNN por veto a jornalista
2 Casa Branca teria alterado vídeo para expulsar jornalista
3 Coreia do Norte irá deportar americano detido em outubro

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.