Leia também:
X FMI sobre 2023: “Não se pode descartar uma recessão global”

Johnson deve renunciar nesta quinta, diz imprensa britânica

Premiê deve deixar o posto de líder do Partido Conservador e, com isso, ficará como primeiro-ministro apenas até o partido escolher um novo representante

Paulo Moura - 07/07/2022 07h51 | atualizado em 07/07/2022 12h26

Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson Foto: EFE/Facundo Arrizabalaga

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deve renunciar nesta quinta-feira (7). De acordo com a imprensa britânica, Johnson concordou em desistir da liderança do Partido Conservador em meio a uma crise que se instalou nos últimos meses. Festas durante a pandemia e um escândalo sexual relacionado a um parlamentar próximo a Johnson foram algumas das polêmicas recentes.

De acordo com a CNN, Johnson deve renunciar à liderança de seu partido e, com isso, permanecerá no cargo de primeiro-ministro até que a representação partidária defina um novo líder, o que está previsto para acontecer no início de outubro. O premiê fará ainda nesta quinta uma declaração à nação, conforme informou um porta-voz de seu escritório.

Boris Johnson está no cargo de primeiro-ministro desde julho de 2019, quando foi eleito em votações internas do Partido Conservador para substituir Theresa May, que havia renunciado ao posto. Nos últimos meses, porém, uma série de escândalos marcaram os noticiários a respeito de sua administração. A crise aumentou após a renúncia de mais de 50 integrantes de sua gestão.

As polêmicas começaram com revelações sobre uma série de festas em Downing Street – residência oficial do governo britânico – durante o início da pandemia de Covid-19. O premiê também sofreu uma acusação de corrupção depois que mensagens revelaram que ele havia pedido fundos a um doador do Partido Conservador para reformar sua residência em Downing Street.

No entanto, a principal e mais recente causa da crise está ligada ao parlamentar Chris Pincher, demitido na última quinta (30) em meio a alegações de que Johnson o havia nomeado para seu governo mesmo sabendo de acusações de má conduta sexual. Inicialmente, o Johnson negou que soubesse qualquer coisa a respeito da questão.

A situação envolvendo Pincher foi revelada no dia 30 de junho pelo jornal The Sun, que publicou que o parlamentar apalpou dois homens em um clube privado em Londres. Em poucos dias, a mídia britânica publicou informações de, pelo menos, seis outros casos de suposta conduta sexual inapropriada de Pincher nos últimos anos.

Após problemas para explicar a questão, a equipe de Johnson disse que ele tinha conhecimento das acusações, mas que elas haviam sido “resolvidas”. Na manhã de terça (5), um ex-funcionário público do Ministério das Relações Exteriores revelou que Johnson havia sido informado pessoalmente sobre o resultado de uma investigação a respeito de Pincher.

Leia também1 Helena Tannure conta que teve perfil bloqueado no Instagram
2 Homenagem à juíza que impediu aborto gera atrito na Câmara
3 Em processo de emagrecimento, Elaine Martins perdeu 50 quilos
4 Oposição avalia como inevitável aprovação da PEC dos Benefícios
5 Por falta de diversidade, autora de Friends doa R$ 20 milhões

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.