Leia também:
X Júpiter terá menor distância da Terra em quase 60 anos

Italianos vão às urnas, neste domingo, para escolher premiê

Favorita a ocupar o cargo é Giorgia Meloni

Pleno.News - 25/09/2022 15h05 | atualizado em 26/09/2022 13h47

Italianos vão às urnas, neste domingo, para escolher premiê Foto: EFE/EPA/Matteo Corner

Neste domingo (25), mais de 50 milhões de italianos votam para eleger o novo Parlamento do país. A votação acontece em meio a temores sobre a ascensão da direita e às posições da favorita a ocupar o cargo, Giorgia Meloni.

A eleição começou às 7 horas (2h, horário de Brasília) e segue até 23h (19h, horário de Brasília), quando os centros de votação serão fechados e a contagem dos votos começará. Não há previsão de resultados, e a formação oficial da coalizão pode levar alguns dias.

A coligação de Meloni diz que o partido mais votado fará a indicação do premiê, a ser aprovado pelo presidente Sergio Mattarella.

O bloco da direita, liderado pelo partido radical Fratelli d’Italia (Irmãos da Itália), é favorito para conseguir o maior número de cadeiras no Parlamento. Sua líder, Giorgia Meloni, é a favorita para ser a primeira mulher premiê da Itália. Ela tem grandes chances de formar uma coalizão de governo depois de ter se aliado ao populista de direita Matteo Salvini, da Liga, e ao ex-premiê Silvio Berlusconi, do Força Itália.

A união da direita e a fragmentação da esquerda é apontada por analistas como o fator principal para o favoritismo de Meloni.

A ascensão de Meloni oriunda de um partido ligado ao pós-fascismo, preocupa a União Europeia, em razão de suas posições contrárias a direitos da comunidade LGBT, minorias religiosas e imigrantes, bem como a proximidade de seus aliados com o líder russo, Vladimir Putin.

Giorgia Meloni é líder do Fratelli d’Italia (Irmãos da Itália), partido criado após décadas de reabilitação da imagem e moderação de uma ala política iniciada por partidários do ditador fascista Benito Mussolini logo após a 2ª Guerra, o Movimento Social Italiano (MSI).

O Fratelli d’Italia exibe em sua bandeira um nó verde, vermelho e branco, um símbolo criado em 1946 pelo grupo de veteranos fascistas que fundou o MSI.

Em agosto, Meloni esclareceu sua controvertida relação com o fascismo.

– A direita italiana relegou o fascismo a um capítulo antigo da História, condenando sem ambiguidades a privação da democracia e as infames leis que perseguiam judeus – disse, em um vídeo divulgado em diferentes idiomas aos meios de comunicação estrangeiros.

Para analistas, Meloni pode ser considerada uma conservadora radical, mas não fascista.

– Giorgia Meloni não quer abandonar o símbolo da direita, porque é a identidade da qual ela não pode escapar; é sua juventude. O partido dela não é fascista. Fascismo significa tomar o poder e destruir o sistema. Ela não vai fazer isso e não poderia. Mas há alas no partido ligadas ao movimento neofascista. Ela sempre jogou de alguma forma no meio – disse à BBC Gianluca Passarelli, professor de ciência política da Universidade Sapienza de Roma.

Previsto inicialmente para 2023, o pleito foi antecipado após a renúncia do então primeiro-ministro Mario Draghi, em julho deste ano. Essa é também a primeira eleição a ser realizada desde a reforma aprovada em referendo, em que foram adotadas mudanças constitucionais para reduzir o tamanho das duas câmaras parlamentares.

Esta será a primeira eleição após a redução do número de parlamentares, o que altera a essência da lei eleitoral de 2017. Serão eleitos 400 deputados e 200 senadores (antes eram 630 e 315, respectivamente). No sistema italiano, misto, majoritário e proporcional, um terço das cadeiras é ocupado pelos mais votados, e o restante, por distribuição proporcional. As regras são complexas e teme-se que provoquem uma tendência de formação de maioria simples, com sub-representação dos demais partidos.

Se a votação confirmar os resultados das últimas pesquisas publicadas, Giorgia Meloni, líder dos Irmãos da Itália, um partido que tem suas raízes na formação que vem da tradição neofascista, pode se tornar a primeira mulher a chegar à chefia do governo na Itália.

Meloni, de 45 anos, tem todas as pesquisas a seu favor. Segundo a última estimativa de 9 de setembro, ela lidera a corrida eleitoral com cerca de 47% das intenções de voto, contra 22% do principal concorrente, o progressista Enrico Letta, da coalizão de esquerda liderada pelo Partido Democrático (PD).

As pesquisas de opinião também mostraram que a campanha não conseguiu despertar o interesse dos italianos, já que, no último dia permitido pela lei italiana para divulgar estimativas, o porcentual previsto de abstenção e indecisão nesta eleição estava em torno de 40%.

Estima-se ainda que cerca de 2,7 milhões de jovens terão a oportunidade de votar pela primeira vez. A idade mínima de votação para o Senado foi reduzida de 25 para 18 anos, alinhando-a com a da Câmara dos Deputados. As duas Casas do Parlamento têm poderes iguais.

*AE

Leia também1 Júpiter terá menor distância da Terra em quase 60 anos
2 Rússia prende centenas no 2° ato contra convocação de Putin
3 EUA: Governo diz a Lula que vai reconhecer resultado da eleição
4 Cristãos serão minoria nos EUA até 2070, diz pesquisa
5 Premiê de Israel defende criação de Estado palestino na ONU

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.