Leia também:
X Freira interrompe beijo lésbico entre atrizes e grita: “É o diabo”

Itália: Presidente decide aceitar renúncia do primeiro-ministro

Próximos passos devem ser a dissolução do Parlamento e a antecipação das eleições

Pleno.News - 21/07/2022 09h42 | atualizado em 21/07/2022 10h57

Primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi Foto: EFE/EPA/Angelo Carconi

O presidente da Itália, Sergio Mattarella, aceitou nesta quinta-feira (21) a renúncia do primeiro-ministro Mario Draghi, que permanecerá no cargo interinamente, até que um novo chefe de governo seja definido.

Draghi se reuniu com Mattarella para apresentar sua renúncia após três grandes partidos de seu governo de coalizão – o conservador Força Itália, de Silvio Berlusconi; a ultradireitista Liga, de Matteo Salvini; e o populista Movimento 5 Estrelas (M5S), de Giuseppe Conte – se recusarem a apoiá-lo em uma sessão de voto de confiança realizada na quarta (20) no Senado.

– O presidente da República tomou conhecimento. O governo permanece em funções para cuidar dos assuntos atuais – disse a chefia de Estado italiana em um comunicado.

O próximo passo da política italiana a partir de agora deve ser a convocação de eleições antecipadas. O pleito pode acontecer no final de setembro ou início de outubro, e é provável que o anúncio da dissolução do Parlamento demore alguns dias para chegar a fim de se adaptar aos prazos estabelecidos pela Constituição, de acordo com a imprensa italiana.

Draghi, que após se encontrar com Mattarella se reuniu com a presidente do Senado, Elisabetta Casellati, já havia anunciado na Câmara dos Deputados que iria apresentar sua renúncia ao chefe de Estado.

O primeiro ministro foi ao Senado na quarta para tentar reconstruir a coalizão de união nacional que o apoiava e venceu a votação de confiança por um placar de 95 votos a favor e 38 contra. Porém, apenas 133 do total de 320 senadores votaram, devido às ausências dos parlamentares do M5S, do Força Itália e da Liga.

O economista liderava essa coalizão desde fevereiro de 2021. Ela incluía quase todos os partidos com representação parlamentar, exceto o ascendente Irmãos de Itália, de ultradireita e liderado por Giorgia Meloni. Na semana passada, a coalizão rachou após o M5S não ter votado a favor da realização da votação de confiança.

*EFE

Leia também1 Homem “desaparecido” dentro da própria casa é achado morto
2 Freira interrompe beijo lésbico entre atrizes e grita: "É o diabo"
3 Bolsonaro sobre novo presidente da Colômbia: "Não tem Deus"
4 Bolsonaro assiste ao jogo do Flamengo, no Mané Garrincha
5 Ciro: Lula e Bolsonaro "disputam quem é o mais corrupto"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.