Leia também:
X Covid: Saúde libera Pfizer para crianças a partir de 6 meses

Haddad, Alckmin e Marina irão representar Lula em Davos

Evento vai acontecer do dia 16 ao dia 20 de janeiro

Pleno.News - 27/12/2022 21h39 | atualizado em 28/12/2022 09h53

Lula ao lado de Fernando Haddad e Geraldo Alckmin Foto: Lula/Ricardo Stuckert

Os futuros ministros da Fazenda, Fernando Haddad, do Meio Ambiente, Marina Silva, e da Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior, Geraldo Alckmin, que também é o vice-presidente eleito, irão representar o governo eleito no Fórum Econômico Mundial, que é realizado tradicionalmente todo ano em Davos, na Suíça, e reúne líderes políticos e empresariais de todo o mundo.

Além deles, também é esperada a presença do ministro de Relações Exteriores, Mauro Vieira. O evento vai acontecer do dia 16 ao dia 20 de janeiro. A informação foi confirmada pela equipe econômica do futuro governo.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não irá participar, porque no mesmo período irá se preparar para a reunião da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), na Argentina.

No dia 14 de dezembro, o futuro chanceler afirmou que a prioridade de Lula será “restabelecer mecanismos de contato” com vizinhos da América Latina e “reconstruir pontes” com países como Estados Unidos e China, além da União Europeia e da África.

Tradicionalmente, os ministros da área econômica, como é o caso de Haddad e Alckmin, e o chefe das Relações Exteriores, função que será exercida por Vieira, sempre participam do evento, que é uma vitrine mundial de relacionamento com empresários e governos estrangeiros, com oportunidades de facilitar acordos comerciais entre países.

No caso brasileiro, o meio ambiente, área que será comandada por Marina Silva, é um tema de muito interesse internacional. Marina já chefiou a pasta no primeiro governo de Lula e é uma referência mundial na temática.

Quando assumiu a Presidência pela primeira vez, em 2003, Lula participou do evento na Suíça e focou seu discurso no combate à fome. Antes de ir para o país europeu, o petista esteve no Fórum Social Mundial, realizado em Porto Alegre, que é uma espécie de evento alternativo a Davos, mas que perdeu protagonismo nos anos recentes.

Não será a primeira vez que o presidente do Brasil estará ausente do Fórum de Davos. A última vez que um chefe de Estado brasileiro marcou presença foi em 2019, quando o presidente Jair Bolsonaro (PL) foi ao evento e levou consigo seus principais ministros na época, como Paulo Guedes (Economia) e Sergio Moro (Justiça). Em 2020, 2021 e 2022, Bolsonaro não participou e enviou representantes, como Guedes e o vice-presidente Hamilton Mourão.

O então presidente Michel Temer (MDB) não foi ao evento em 2017 porque queria cuidar da articulação para presidência da Câmara, mas participou em 2018. Em 2016, nos meses que antecederam seu impeachment, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) também se ausentou e enviou o então ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, no seu lugar.

*AE

Leia também1 Pastora morre ao ser atingida por picape em ponto de ônibus
2 Equipe de Lula quer Esplanada fechada a partir de 6ª feira
3 Dino: Lula decidirá sobre colete à prova de balas no dia da posse
4 Comandante da Aeronáutica desmente jornalista sobre golpe
5 Combustíveis: Haddad pede ao atual governo para não prorrogar desoneração

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.