Leia também:
X Investigação sobre a morte de Maradona ganha oitavo réu

Governo Biden retiram Farc da lista de organizações terroristas

O anúncio foi feito nesta terça-feira

Pleno.News - 30/11/2021 16h15 | atualizado em 01/12/2021 14h14

Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken Foto: EFE/EPA/DANIEL IRUNGU

Nesta terça-feira (30), o Departamento de Estado dos Estados Unidos anunciou a retirada das antigas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) da lista de grupos terroristas, depois de 24 anos da inclusão, ao garantir que não se trata mais de uma “organização unificada”.

– Após o acordo de paz com o governo da Colômbia, as Farc se dissolveram e se desarmaram formalmente. Já não existem mais como uma organização unificada, que esteja envolvida com o terrorismo, em atividades terroristas ou que tenha capacidade ou intenção de fazê-lo – afirmou o secretário de Estado americano, Antony Blinken, por meio de comunicado.

A decisão acontece poucos dias depois da celebração do quinto aniversário do acordo de país firmado entre o extinto grupo guerrilheiro e o governo da Colômbia, então presidio por Juan Manuel Santos.

O Departamento de Estado informou, contudo, que o anúncio da retirada da lista de organizações terroristas não elimina as acusações que possam surgir nos Estados Unidos por narcotráfico e outros crimes, contra antigos integrantes das Farc.

Blinken afirmou que, com essa decisão, está se tentando um reforço na capacidade de Washington de “apoiar melhor a adoção dos acordos de 2016, inclusive, no trabalho com combatentes desmobilizados”.

Além disso, o comunicado divulgado pelo Departamento de Estado aponta que foram incluídas na lista de organizações terroristas dois grupos associados às Farc, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia Exército do Povo (Farc-EP) e o grupo Segunda Marquetalia.

Os líderes desses grupos, Luciano Marín Arango, Hernán Dario Velásquez Saldarriaga, Henry Castellanos Garzón, Nestor Gregorio Vera Fernández, Miguel Santanilla Botache e Euclides España Caicedo também passam a fazer parte da relação americana.

As Farc foram incluídas na lista americana em 1997, por consequência, os membros tiveram a entrada proibida nos Estados Unidos, além de restrito o acesso ao sistema financeiro internacional, entre outras sanções.

*EFE

Leia também1 Biden: Variante é 'motivo de preocupação, mas não de pânico'
2 Biden anuncia restrições para viajantes vindos da África do Sul
3 China promete contra-ataque após novas sanções dos EUA
4 Trump encontra jovem absolvido de assassinato após se defender
5 Joe Biden se manifesta após absolvição de Kyle Rittenhouse

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.