Leia também:
X EUA dizem à Polônia que não apoiam envio de aviões à Ucrânia

EUA fazem alerta para uso de armas químicas pela Rússia

País também prevê que a guerra na Ucrânia deve se intensificar

Henrique Gimenes - 09/03/2022 21h41 | atualizado em 10/03/2022 17h31

Prédios administrativos danificados após um bombardeio russo no centro de Kharkiv, Ucrânia Foto: EFE/EPA/SERGEY KOZLOV

Nesta quarta-feira (8), o governo dos Estados Unidos (EUA) afirmou que a guerra na Ucrânia se intensificar nos próximos dias. De acordo com o país, existe a possibilidade de que a Rússia utilize armas químicas nos ataques.

O alerta sobre o agravamento do conflito foi feito ao governo dos EUA pela Agência Central de Inteligência (CIA), de acordo com veículos de imprensa internacionais.

Já a afirmação sobre o uso de armas químicas foi feita pela porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki.

– Todos nós devemos estar atentos para que a Rússia possivelmente use armas químicas ou biológicas na Ucrânia, ou crie uma operação de bandeira falsa usando-as. É um padrão claro – apontou.

O ataque da Rússia à Ucrânia ocorreu na madrugada do dia 24 de fevereiro. O anúncio da “operação militar no leste da Ucrânia” foi feito pelo presidente russo, Vladimir Putin, em um discurso transmitido na televisão. De acordo com ele, o objetivo era “proteger as pessoas que são submetidas a abusos, genocídio de Kiev durante oito anos”, e, para isso, ele buscaria “desmilitarizar e desnazificar a Ucrânia e levar à Justiça aqueles que cometeram vários crimes sangrentos contra pessoas pacíficas, incluindo cidadãos russos”.

Leia também1 Zelensky alerta para 'milhões de mortos' sem apoio internacional
2 Arthur do Val diz que ex o chamou de 'Playboy VillaMix'
3 EUA creem que Rússia sofrerá "derrota estratégica" na Ucrânia
4 'Bárbaro!' EUA condenam ataque a maternidade na Ucrânia
5 EUA e Reino Unido dizem que vão isolar a Rússia ainda mais

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.