Leia também:
X Autoridades investigam relação entre calor e mortes no Canadá

EUA consideram Cuba, Venezuela e China ineficazes contra o tráfico humano

Antony Blinken, secretário de Estado, apresentou relatório anual nesta quinta-feira

Pleno.News - 01/07/2021 17h37 | atualizado em 01/07/2021 18h50

Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken Foto: EFE/EPA/Anna Moneymaker / POOL

Os Estados Unidos mantiveram nesta quinta-feira Nicarágua, Venezuela, China e Cuba na lista de países que não fazem o suficiente para combater o tráfico de pessoas e alertaram sobre problemas em países como Arábia Saudita e Israel, segundo o novo relatório do Departamento de Estado.

– Este crime é uma afronta aos direitos humanos e à dignidade humana – ressaltou Antony Blinken, secretário de Estado, ao apresentar o relatório anual.

Blinken argumentou que o tráfico de pessoas tem “um peso desproporcional” sobre quem “é alvo de opressão por outras injustiças” em países em desenvolvimento. Além disso, destacou que a pandemia de Covid-19 “agravou” os problemas entre os mais vulneráveis.

O chefe da diplomacia americana destacou as “atrozes” ações da China contra os uigures e outras minorias muçulmanas na província de Xinjiang, no oeste do país, onde quase um milhão de pessoas cumprem trabalhos forçados.

A lista, de 17 países, também conta com Afeganistão, Argélia, Mianmar, Comores, Eritreia, Guiné-Bissau, Irã, Coreia do Norte, Malásia, Rússia, Sudão do Sul, Síria e Turcomenistão.

A inclusão na lista pode levar à imposição de sanções como o congelamento da ajuda não humanitária e não comercial ou a exclusão de empréstimos de instituições, como o Fundo Monetário Internacional (FMI), se assim for decidido pelo presidente dos EUA, Joe Biden.

Sobre Cuba, o relatório observou o “padrão do governo de se aproveitar dos programas de exportação de trabalhadores com fortes sinais de trabalho forçado, particularmente no seu programa de missões médicas estrangeiras”.

Em relação à Nicarágua, o Departamento de Estado norte-americano observou que o governo nicaraguense “continua a minimizar a gravidade do tráfico de seres humanos no país, apesar dos relatos da sociedade civil de um aumento das vítimas em 2020”.

No caso da Venezuela, o governo americano advertiu que as “autoridades fornecem apoio e um ambiente permissivo para grupos armados não estatais”, incluindo organizações colombianas ilegais, “para recrutar e utilizar crianças-soldados para conflitos armados e tráfico sexual enquanto operam em território venezuelano com impunidade.

O Departamento de Estado norte-americano também aponta para problemas em países considerados aliados tradicionais dos EUA, como Israel, onde, segundo o relatório, os esforços das autoridades para frear o tráfico de pessoas “não são sérios nem constantes”, e Arábia Saudita, que não respeita “normas mínimas de proteção” para os trabalhadores estrangeiros.

*EFE

Leia também1 Autoridades investigam relação entre calor e mortes no Canadá
2 Anvisa libera doses da Janssen que foram doadas pelos EUA
3 EUA: Atleta trans de 13 anos vai à Justiça por competição escolar
4 Trump sobre os EUA: 'Temos um país doente em muitos aspectos'
5 China terá vantagem se EUA não investirem em infraestrutura

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.