Leia também:
X Abaixo-assinado pede que EUA deportem filha de Chávez

EUA ameaçam entidades que ajudam Nicolás Maduro

Governo enviou notificação a bancos que estão ajudando ditador

Jade Nunes - 06/03/2019 15h35 | atualizado em 07/03/2019 10h08

Ditador Nicolás Maduro Foto: EFE/Cristian Hernández

O governo dos Estados Unidos ameaçou, nesta quarta-feira (6), com sanções, as entidades financeiras internacionais que seguirem ajudando economicamente o ditador venezuelano Nicolás Maduro.

Em comunicado, o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, anunciou que seu governo enviou uma notificação formal aos bancos que se encontram fora dos EUA e que estão financiando o governo de Maduro.

– Os EUA estão enviando advertências às instituições financeiras estrangeiras de que estarão sujeitas a sanções se estiverem envolvidas em transações financeiras ilegítimas que beneficiem Nicolás Maduro e sua rede de corrupção – disse Bolton.

– Não permitiremos que Maduro roube a riqueza do povo da Venezuela – acrescentou o conselheiro de Donald Trump.

Se os Estados Unidos decidirem tornar sua ameaça realidade, o impacto poderia ser sentido em bancos russos e chineses, que emprestaram dinheiro ao governo de Maduro no passado.

Segundo Bolton, o objetivo dessas iniciativas de pressão econômica e diplomática é “apoiar firmemente a transição democrática” na Venezuela e o líder opositor Juan Guaidó, que se autodeclarou presidente em janeiro e obteve o apoio de mais de 50 países.

As declarações de Bolton supõem o último passo na campanha de pressão americana contra Maduro, que está no poder desde 2013 e em 10 de janeiro voltou a assumir a presidência como resultado de eleições realizadas em maio de 2018, eleições essas não reconhecidas por parte da comunidade internacional.

Após a posse de Maduro, Guaidó invocou em 23 de janeiro alguns artigos da Constituição venezuelana para reivindicar que, como presidente do parlamento, tinha a autoridade para se declarar presidente interino do país ao considerar que Maduro está “usurpando” a presidência.

Os EUA foram a primeira nação a reconhecer Guaidó como líder e, desde então, Washington tomou diversas ações para pressionar Maduro: desde restrições de vistos a funcionários venezuelanos até sanções à empresa Petróleos de Venezuela (PDVSA), uma das principais fontes de divisas do país sul-americano.

Além disso, os EUA estão avaliando a possibilidade de impor sanções secundárias às companhias que negociem com empresas controladas por Maduro, como os EUA fez no caso das companhias estrangeiras que compravam petróleo do Irã.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Abaixo-assinado pede que EUA deportem filha de Chávez
2 Cruz Vermelha duplica ajuda destinada à Venezuela
3 Venezuela: Mourão defende diálogo com Nicolás Maduro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.