Leia também:
X Polícia indiana fecha Taj Mahal após falso alerta de bomba

Cristina Kirchner se considera perseguida pela Justiça

Vice-presidente repudiou processo que responde por supostas irregularidades

Pleno.News - 04/03/2021 15h43 | atualizado em 04/03/2021 15h54

Vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner Foto: EFE/ Juan Ignacio Roncoroni/Archivo

A vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, voltou a dizer nesta quinta-feira (4) que é vítima de uma perseguição judicial. Ela também responsabilizou a Justiça por contribuir com a crise do país e repudiou o processo que responde por supostas irregularidades na venda de futuros de dólar enquanto era presidente, de 2007 a 2015.

– Este sistema é podre e perverso. É necessário que todos nós façamos um esforço para corrigi-lo e transformá-lo, pois não podemos continuar sendo um país onde alguém entra, nos endivida, depois é absolvido e faz a mesma coisa novamente. Isto é o que está acontecendo, e vocês têm responsabilidade nisso – disse a política.

Ela deu declarações durante um audiência virtual.

Desde maio de 2016, Cristina Kirchner e outros ex-integrantes de seu governo são processados por supostas irregularidades na emissão, pelo Banco Central, de contratos de futuros de dólares na reta final do mandato, o que teria resultado em prejuízos milionários para o Estado.

O processo foi iniciado por uma denúncia de dois legisladores da oposição em 30 de outubro de 2015, apenas cinco dias após o primeiro turno das eleições presidenciais que, no segundo, foram vencidas por Mauricio Macri (2015-2019). É neste contexto que a atual vice-presidente, que negou que qualquer ilegalidade tenha sido cometida, acusou o Poder Judiciário de ter favorecido a vitória de Macri.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Chanceler defende flexibilização de regras do Mercosul
2 Presidente argentino comenta escândalo da vacina VIP
3 Papa descarta voltar à Argentina e diz imaginar a morte em Roma
4 Argentinos terão que fazer curso sobre gênero para ter habilitação
5 Presidente da Argentina pede saída do ministro da Saúde

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.