Leia também:
X Professor é proibido de dar aula após ‘bater’ em aluno de 4 anos

Covid-19: Portugal prorroga confinamento até 16 de março

Decisão agravou tensões políticas no país

Pleno.News - 25/02/2021 18h06 | atualizado em 25/02/2021 18h16

Lisboa, Portugal Foto: Pixabay

O Parlamento de Portugal aprovou, nesta quinta-feira (25), uma nova prorrogação do estado de emergência, que valerá até o dia 16 de março, enquanto o país ainda não tem um plano de retomada das atividades. A decisão agravou as tensões políticas.

O novo estado de emergência, nível de alerta mais alto do país, durará de 2 a 16 de março, período em que o governo, liderado por António Costa, manterá sem mudanças as medidas atuais, baseadas em um confinamento que permite apenas atividades essenciais.

Os portugueses precisam ficar em casa desde o dia 16 de janeiro, um mês sombrio para o país, durante o qual foram registrados recordes de 300 mortes por complicações da Covid-19 e 16 mil contágios diários, levando os hospitais à beira do colapso.

A curva de casos está controlada – atualmente há 49 mortes e 1.160 novos casos notificados nesta quinta-feira, e houve uma melhora constante na situação dos hospitais, que têm 2.613 pacientes internados, 536 deles em unidades de terapia intensiva (UTI).

– Estamos melhor, mas ainda não estamos onde gostaríamos de estar – resumiu no Parlamento a ministra da Saúde, Marta Temido.

Ela deu declarações em meio a deputados críticos ao governo por conta da falta de divulgação de um plano para a reabertura.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Professor é proibido de dar aula após 'bater' em aluno de 4 anos
2 EUA: Procurador já tem acesso a declarações de IR de Trump
3 Idosa de 96 anos morre e deixa R$ 165 milhões para caridade
4 Reino Unido rebaixa nível de alerta por pandemia da Covid-19
5 Pfizer testa 3ª dose de vacina contra variantes da Covid-19

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.