Leia também:
X Senadora alerta que China tenta doutrinar crianças nos EUA

Fora da atmosfera: China realiza teste de interceptção de mísseis

País asiático é o 2º do mundo que desenvolve esse tipo de tecnologia, depois dos EUA

Pleno.News - 05/02/2021 18h18 | atualizado em 05/02/2021 18h19

China realizou teste de interceptção de mísseis fora da atmosfera Foto: Reprodução

A China realizou, na quinta-feira (4), um teste de interceptação de mísseis, em uma fase de trajetória média. A informação foi anunciada pelo Ministério da Defesa do país, através de um comunicado.

O exercício foi considerado bem-sucedido e classificado como de “natureza defensiva”. Ainda de acordo com a pasta do governo chinês, esta não se tratou de uma atividade voltada contra qualquer país que seja considerado uma ameaça.

– O teste foi realizado dentro das fronteiras da China e alcançou o objetivo previsto – indicou a nota emitida pelo Ministério da Defesa.

O texto não divulgou os detalhes técnicos sobre o exercício.

O país asiático é o segundo do mundo que desenvolve esse tipo de tecnologia, depois dos Estados Unidos.

O teste aconteceu um dia após o governo americano, agora liderado por Joe Biden, aprovar a prorrogação por cinco anos do acordo de controle de armas nucleares New Start, uma vez que a Rússia tomou a mesma decisão.

Os meios de comunicação oficiais da China indicaram que se tratou de um teste técnico contra mísseis balísticos em fase de trajeto médio (ABM), que se trataria do quinto realizado no país, depois dos anos de 2010, 2013, 2014 e 2018.

Segundo Song Zhongping, especialista militar local, consultado pelo jornal oficial Global Times, os testes na fase de médio trajeto são a “fase mais vital na interceptação de mísseis balísticos” já que alcançam o artefato no momento de voo livre fora da atmosfera.

– A grande dificuldade da interceptação reside na alta trajetória – afirmou Zhongping.

O jornal independente South China Morning Post, por sua vez, consultou especialistas que apontam que o teste pode ser um aviso para a Índia, país que pretende colocar em uso neste ano o Agni-V, míssil com capacidade nuclear mais potente, com alcance superior aos 5 mil quilômetros.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Senadora alerta que China tenta doutrinar crianças nos EUA
2 Joe Biden promete "frear" ambição econômica da China
3 Ex-detentas denunciam estupros em campos de Xinjiang
4 Covid-19: China desmantela rede que vendia vacinas falsas
5 Wuhan: OMS visita local onde ocorreram primeiros contágios

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.