Leia também:
X Bill Gates diz que doará US$ 20 bilhões à própria fundação

Biden fala em integração de Israel com Oriente Médio

Democrata deu declarações nesta quarta-feira, logo após chegada ao aeroporto Ben Gurion, nos arredores de Tel Aviv

Pleno.News - 13/07/2022 20h37 | atualizado em 14/07/2022 11h21

Joe Biden em Jerusalém Foto: EFE/EPA/MENAHEM KAHANA / POOL

Nesta quarta-feira (13), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeu que avançará com a “integração” de Israel com o Oriente Médio. Ele apontou para novas formas de cooperação com países da região do Indo-Pacífico, como a Índia.

– Seguiremos avançando na integração de Israel na região – falou o democrata.

Biden fez um breve discurso após sua chegada ao aeroporto Ben Gurion, nos arredores de Tel Aviv, Israel. Esta é sua primeira visita ao Oriente Médio desde que assumiu o governo norte-americano.

Além disso, o presidente americano apontou para novas formas de cooperação internacional para Israel com a participação dos Estados Unidos, como a cúpula I2U2, que acontecerá na quinta (14), de forma virtual e será centrada em como melhorar a segurança alimentar.

Participarão do encontro o presidente americano; o primeiro-ministro interino de Israel, Yair Lapid; o premiê da Índia, Narendra Modi; e o recém-eleito presidente dos Emirados Árabes e emir de Abu Dhabi, Mohamed bin Zayed al Nahyan.

– Deve se aprofundar a cooperação econômica entre Oriente Médio e o Pacífico. Uma maior estabilidade, uma maior conexão, tudo isso é crítico para os povos da região – declarou Biden.

O presidente dos EUA também reafirmou hoje o compromisso de Washington com Israel. Ele expressou apoio ao sistema antimísseis Cúpula de Ferro, para o qual o Congresso americano aprovou 1 bilhão de dólares (R$ 5 bilhões) apenas neste ano, assim como também respaldou um novo sistema antimísseis de tecnologia a laser.

Biden receberá informações sobre esse novo sistema, capaz de detectar drones ou mísseis procedentes do Irã e de outros países, em um encontro com o ministro da Defesa de Israel, Beny Gantz.

Lapid, por sua vez, garantiu que serão abordados nos dias da visita do presidente americano, “temas de segurança nacional” e outros assuntos importantes para as duas nações, entre os quais, se destaca a criação de uma “coalizão global forte, que detenha o programa nuclear do Irã”.

– Discutiremos a construção de uma nova arquitetura econômica e de segurança com os povos do Oriente Médio, seguindo os Acordos de Abraham e os objetivos da Cúpula do Neguev – disse o premiê israelense.

A fala dele foi em referência aos países árabes da região.

Os Acordos de Abraham, costurados pelo ex-presidente dos EUA, Donald Trump, permitiram que Israel normalizasse relações com Emirados Árabes, Bahrein e Marrocos. Já a Cúpula de Neguev, que ocorreu em março deste ano, ajudou Jerusalém a estreitar ainda mais os laços com estas nações, assim como com Egito e Estados Unidos.

Lapid agradeceu o apoio que Biden ofereceu durante décadas ao Estado judaico e afirmou que o chefe de Estado americano se tratada de “um dos melhores amigos que Israel já teve”.

– Você não precisa ser judeu para ser sionista – respondeu o presidente dos EUA.

*EFE

Leia também1 No Oriente Médio, Biden não aperta mão para prevenir Covid
2 Paraguaios cruzam fronteira e abastecem mais barato no Brasil
3 Taxa anual de inflação nos EUA é a mais alta em mais de 40 anos
4 Sri Lanka: Presidente sai do país, e premiê decreta emergência
5 Twitter aciona a Justiça para forçar Musk a comprar a rede

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.