Leia também:
X Cratera gigante engole casa na Zona Rural do México

Peru se opõe a estrada que liga país ao Brasil pela Amazônia

País fala sobre risco de aumento do tráfico de drogas e do desmatamento ilegal

Pleno.News - 22/06/2021 19h23 | atualizado em 22/06/2021 19h26

Governo do Peru se opõe a estrada que liga país ao Brasil pela Amazônia Foto: Reprodução

O governo peruano se opõe ao polêmico projeto promovido pelo Congresso para construir uma estrada entre Peru e Brasil na Amazônia, através de parques nacionais de ambos os países e perto de uma reserva indígena.

O ministro do Meio Ambiente, Gabriel Quijandría, advertiu nesta terça-feira (22), em conferência com a Associação de Imprensa Estrangeira no Peru (APEP), que esta infraestrutura pode incentivar o desmatamento ilegal e o tráfico de drogas que já afeta o local.

O projeto de estrada entre a cidade peruana de Pucallpa, capital da região de Ucayali, e o município de Cruzeiro do Sul, o segundo maior do Acre, foi declarado de interesse nacional pelo Congresso do Peru em maio.

A iniciativa foi aprovada pelo Parlamento somente com a opinião favorável da comissão parlamentar de Transportes, e sem ter sido revisada pela comissão de Povos, Meio Ambiente e Ecologia.

NECESSIDADE QUESTIONADA
Ao longo de 250 quilômetros entre rios e florestas amazônicas, esta estrada atravessaria o Parque Nacional da Sierra del Divisor, que atravessa a fronteira entre Peru e Brasil, e passaria também muito perto da Reserva Indígena Isconahua e da proposta de Área de Conservação Regional do Alto Tamaya.

– O Ministério do Meio Ambiente sempre insistiu na necessidade de compreender que a infraestrutura tem que responder a uma estratégia de desenvolvimento. Um projeto de infraestrutura não é uma estratégia de desenvolvimento. É um meio para alcançar algo. Se não estiver claro sobre que tipo de desenvolvimento quero alcançar em um território e não estou claro sobre as características desse território, estou provavelmente propondo infraestruturas que não preciso – disse Quijandría.

O chefe da pasta argumentou que, como resultado das condições da pandemia de Covid-19, ficou provado que a necessidade de infraestruturas rodoviárias “não é tão crítica”, enquanto outros tipos, como acesso à internet em áreas remotas, distantes e rurais, têm sido urgentes.

*EFE

Leia também1 Cratera gigante engole casa na Zona Rural do México
2 Em ato raro, Vaticano protesta contra lei pró-LGBT na Itália
3 Após conflito com indígenas e PM, CCJ adia votação do PL 490
4 EUA admitem que não vacinarão 70% de adultos até 4 de julho
5 ONU: 8,5 mil crianças foram usadas como soldados em 2020

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.