Para legistas, testemunha de caso Odebrecht se matou

Rafael Merchán era depoente em acusação contra a empresa brasileira

Pleno.News - 10/01/2019 08h08

Rafael Merchán era ex-funcionário do governo da Colômbia e testemunha no caso Odebrecht Foto: Reprodução

O procurador-geral da Colômbia, Néstor Humberto Martínez, confirmou, nesta quarta-feira (9), que Rafael Merchán, ex-secretário de Transparência da Presidência e testemunha no caso Odebrecht no país, se suicidou.

O corpo de Merchán, de 43 anos, foi encontrado em circunstâncias estranhas dentro da casa em que ele vivia em Bogotá. A causa da morte foi envenenamento por cianureto. A confirmação foi dada em relatório de médicos legistas no governo.

Merchán era uma das testemunhas-chaves no caso que investiga repasses de propinas da Odebrecht a políticos colombianos. A empresa brasileira teria pagado vantagens no contrato de concessão da Rota do Sol II.

O suicídio de Merchán gerou uma série de suspeitas de queima de arquivo na Colômbia por ter ocorrido depois da morte de Jorge Enrique Pizano, outra testemunha-chave do caso Odebrecht, e de seu filho Alejandro Pizano. Depois, esse caso foi tido como “morte natural”, decorrente de um infarto, pelos legistas.

No fim do ano passado, o diretor do Instituto de Medicina Legal da Colômbia, Carlos Valdés, renunciou ao cargo após o órgão divulgar provas sobre a morte de Jorge Enrique Pizano.

BUSQUE AJUDA
No Brasil, o Centro de Valorização da Vida é uma das instituições que dão apoio emocional e trabalham para prevenir o suicídio. Para pedir ajuda, ligue para o número 188 ou acesse o site.

*Com informações da Agência EFE

LEIA TAMBÉM+ Promotor da Lava Jato acusa procurador de encobrimento
+ Odebrecht deverá pagar R$ 979 milhões para a Colômbia
+ Testemunha da Odebrecht na Colômbia não tomou veneno


Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo