Leia também:
X “Argentina e China já têm 50 anos de relações diplomáticas”

Otan: Rússia não pode ter poder de veto sobre Ucrânia

Entidade diz ainda que não tem a intenção de circundar a Rússia com novos membros

Pleno.News - 27/01/2022 15h31 | atualizado em 27/01/2022 16h23

vladimir putin
Presidente da Rússia, Vladimir Putin Foto: EFE/EPA/Mikhail Metzel / Sputnik / Kremlin

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) publicou, em seu site, uma lista com alguns esclarecimentos sobre a relação entre o grupo liderado pelos Estados Unidos e Moscou. A lista que discute “os cinco principais mitos” nessa relação é publicada em um momento de tensões entre a Otan e a Rússia, com a possibilidade de que tropas russas invadam a Ucrânia.

A Otan afirma que, desde sua fundação, em 1949, nunca fez uma promessa de não aceitar novos membros, inclusive depois da Guerra Fria. O texto lembra a Política de Portas Abertas da entidade para eventuais novos membros da Europa, o que já consta em seu tratado de fundação.

A entidade ainda diz ser uma “aliança defensiva, com o propósito de proteger seus membros”. Ela afirma que cooperou com a Rússia nos últimos 30 anos, por exemplo em operações contra o narcotráfico ou o terrorismo, mas diz que, em 2014, como resposta “às ações agressivas da Rússia contra a Ucrânia”, suspendeu a cooperação prática com Moscou.

– Nós não buscamos confrontação, mas não podemos ignorar que a Rússia viola regras internacionais, minando nossa estabilidade e a segurança – diz.

Outro “mito” combatido pela Otan é o de que a Ucrânia não poderia entrar na aliança. Segundo a organização, a decisão caberá aos 30 membros da própria Otan e ao país em questão, apenas.

– A Rússia não tem o direito de intervir nem de vetar esse processo – afirma Otan.

A Otan diz ainda que não tem a intenção de circundar a Rússia com novos membros e aponta que apenas 6% da fronteira russa é com países integrantes da entidade.

Outro “mito” citado é o de que, segundo a Otan, o fato de que esta participou de intervenções na ex-Iugoslávia, em Kosovo e na Líbia provaria que ela não é defensiva. A entidade aponta que havia contextos específicos em cada missão e que elas eram amparadas por decisões da Organização das Nações Unidas (ONU).

*AE

Leia também1 Rússia faz exercícios militares na fronteira com a Ucrânia
2 Biden 'não tem intenção' de enviar tropas dos EUA à Ucrânia
3 Ucrânia pede calma e diz que invasão russa não é iminente
4 EUA colocam 8.500 soldados em alerta por crise na Ucrânia
5 Tensão na Ucrânia: Otan envia navios e jatos ao Leste Europeu

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.