Leia também:
X Biden comete gafe e pergunta por congressista que já morreu

Ortega, ditador da Nicarágua, chama Igreja de “ditadura”

Daniel Ortega voltou a rotular religiosos de assassinos e golpistas

Pleno.News - 29/09/2022 10h50 | atualizado em 29/09/2022 11h37

Lula e Daniel Ortega Foto: ABr/Roosewelt Pinheiro

O ditador da Nicarágua, Daniel Ortega, usou um pronunciamento em rede nacional nesta quarta-feira (28) para definir a Igreja Católica como uma ditadura.

O político vive uma escalada de tensões com o Vaticano. O estopim mais recente foi a prisão do bispo Rolando Álvarez, que motivou um apelo do papa Francisco por um diálogo aberto e sincero com Manágua.

– Tudo (na Igreja) é imposto. É uma ditadura perfeita, uma tirania perfeita. Quem elege os padres, os bispos, quem elege o papa? Com quantos votos, de quem? Se querem ser democráticos, que comecem a eleger o papa, os cardeais, os bispos, com o voto de todos os católicos – disse o ditador.

Ortega voltou a rotular religiosos de assassinos e golpistas pelo apoio que supostamente foi dado a partir dos templos a protestos da oposição em 2018.

– Manifestantes saíam das igrejas – nem todos – armados, para lançar ataques contra as delegacias.

Ortega não tem credenciais para exigir democracia. O político está no poder de forma ininterrupta desde 2007, vencendo eleições de fachada. Nos seis meses anteriores à última votação, em novembro passado, o regime prendeu, sob acusações de lavagem de dinheiro e traição à pátria, sete candidatos opositores.

Há ainda atrás das grades mais de 30 outros políticos e mais de 100 líderes sindicais e estudantis, jornalistas e ativistas, segundo a Comissão Interamericana de Direitos Humanos. Muitos têm sido condenados em julgamentos igualmente de fachada.

Nos últimos anos, Ortega cancelou o registro dos dois principais blocos de oposição, passando a dominar o Legislativo, e nomeou novos juízes da Suprema Corte, viabilizando a aprovação de leis que estendem prisões preventivas e o alcance das acusações de traição.

Daniel Ortega Foto: EFE/Jorge Torres

PERSEGUIÇÃO À IMPRENSA
A perseguição se estende à produção acadêmica e à imprensa. Recentemente, o principal jornal nicaraguense se viu obrigado a retirar de forma clandestina todos os seus funcionários do país. Na mesma época, sete rádios católicas ligadas a um bispo crítico ao ditador foram fechadas.

RELAÇÃO COM A IGREJA
As relações entre o regime e a igreja vêm se deteriorando desde 2018, quando uma onda de protestos acabou com mais de 300 manifestantes mortos em confronto com as forças de segurança e grupos paramilitares alinhados ao regime. Segundo o Observatório Pró-Transparência e Anticorrupção, entre abril de 2018 e maio de 2022 houve ao menos 190 agressões contra a Igreja Católica na Nicarágua.

Em 1979, no começo da Revolução Sandinista, lideranças católicas se associaram ao movimento, em oposição à ditadura da família Somoza, que governava o país desde 1937. Na primeira junta do governo pós-revolução, que incluía Ortega, havia quatro sacerdotes.

Com a dissolução do grupo, o apoio dos religiosos ao hoje líder do regime se dividiu. Ortega, que era ligado ao grupo mais progressista, se afastou totalmente dos católicos após a onda de protestos contra seu governo em 2018.

A mais recente onda de perseguição começou em março, com a expulsão do país de líderes religiosos católicos acusados de serem terroristas. O governo da Nicarágua também prendeu padres e fechou igrejas e emissoras de rádio ligadas aos católicos.

*AE

Leia também1 Biden comete gafe e pergunta por congressista que já morreu
2 Putin deve proclamar anexação do território da Ucrânia
3 Brasileiro Jarbas Barbosa é eleito novo diretor da Opas
4 Discurso de Giorgia Meloni em defesa da família viraliza
5 Nicarágua proíbe cristãos de celebrar o Dia da Bíblia nas ruas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.