Leia também:
X Covid-19: Índia registra recorde de casos em 24 horas

Opositores de Nicolás Maduro são excluídos da vacinação

Prioridade seria de pessoas cadastradas num sistema de "lealdade" ao governo

Monique Mello - 18/04/2021 13h05 | atualizado em 18/04/2021 13h54

Maduro em ato governamental com militares na cidade de Caracas, Venezuela Foto: EFE / Prensa De Miraflores /

A Venezuela está excluindo oponentes do governo de Nicolás Maduro da vacinação contra Covid-19. De acordo com a agência de notícias Bloomberg, o país estaria restringindo as doses para pessoas que possuem “cartão de fidelidade do Estado”.

Quando o país começou a imunizar a população idosa na semana passada, foi dito que estavam sendo selecionados beneficiários de um registro usado pelo governo de Nicolás Maduro para monitorar a lealdade dos eleitores e conceder subsídios estatais.

Embora todos os venezuelanos tenham carteira de identidade nacional, nem todos se cadastraram para obter o cartão de subsídios do Estado, conhecido como “Carnet de la Patria”, que é desproporcionalmente concedido a pessoas que dependem de ajuda estatal e têm maior probabilidade de serem leais ao governo de Maduro.

O uso do registro tem sido criticado por especialistas médicos, ONGs e pela oposição, já que o banco de dados de cerca de 20 milhões de pessoas não cobre toda a população de 28 milhões. Nos últimos anos, o governo tem usado repetidamente o cartão para condicionar o acesso a programas de alimentação, subsídios de combustível e benefícios de assistencial social.

– Para uma estratégia de vacinação, temos que partir de um registro que inclua 100% da população venezuelana. Usar o Sistema Patria para decidir quem é vacinado ou não, em nossa opinião, é discriminatório – disse Julio Castro, epidemiologista de Caracas que assessora a oposição.

– O Carnet de la Patria é um mecanismo de controle eleitoral. Muitas pessoas sabem que é um mecanismo de controle eleitoral e não querem fazer parte dele – disse Rafael Uzcátegui, que trabalha para a ONG de direitos humanos Provea.

Já Juan Guaidó, líder da oposição diz que “nem na ditadura mais cruel do mundo existe discriminação para ter acesso a uma vacina”.

O Ministério da Saúde da Venezuela ainda não se manifestou quanto aos questionamentos reportados.

A Venezuela tem atualmente 175.812 casos de Covid-19, de acordo com dados do governo. Com as infecções batendo recordes diários neste mês, os hospitais do país, precários e sem recursos, estão quase lotados.

Leia também1 Venezuela recebe novo lote da Sputnik V e de antiviral
2 Grupo que falsificava carteira de habilitação da Venezuela é preso
3 Venezuelanos chegam à Bahia após meses em busca de refúgio
4 Jornal lista dez ataques do PT contra a democracia
5 Covid-19: Índia registra recorde de casos em 24 horas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.