Leia também:
X EUA aumentam preços de vistos para turistas e estudantes

Covid: OMS deixa de recomendar vacina de reforço para maioria

Anúncio ocorreu nesta terça-feira

Pleno.News - 28/03/2023 16h30 | atualizado em 28/03/2023 17h05

OMS deixa de recomendar vacina de reforço para maioria da população (Imagem ilustrativa) Foto: Pixabay

Nesta terça-feira (28), especialistas em vacinas da Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendaram que as doses de reforço contra a Covid-19 não sejam mais administradas à população que não esteja nos grupos de alto risco, dado o alto nível de imunização alcançado pelas populações em vários países.

A necessidade de uma dose de reforço, entre seis e 12 meses após a anterior, mantém-se apenas em grupos que incluem idosos, imunossuprimidos e profissionais de saúde, segundo explicaram hoje, em coletiva de imprensa, dois representantes do grupo de especialistas da OMS após suas reuniões, que aconteceram entre 20 e 23 de março.

Pela primeira vez, esses especialistas, do Grupo Assessor Estratégico de Especialistas em Vacinas (SAGE) da OMS, dividiram a população em três grupos de risco (alto, médio e baixo): a necessidade de novas doses de reforço permanece apenas para o primeiro, que inclui os três grupos já mencionados.

– É um reflexo de que grande parte da população já está vacinada, foi infectada com a Covid-19, ou as duas coisas ao mesmo tempo – afirmou Hanna Nohynek, presidente do SAGE.

Para pessoas com risco médio de Covid-19 (adultos com menos de 60 anos e crianças ou adolescentes com determinados problemas de saúde), o SAGE recomenda apenas uma primeira dose completa da vacina mais um reforço após o período necessário (algo que em muitos países já foi concluído em 2022).

Em relação ao grupo de baixo risco (crianças e adolescentes), o SAGE reconhece os benefícios que as vacinas e doses de reforço podem ter na sua prevenção, embora recomende reconsiderar sua imunização.

– Cada país deve considerar seu contexto específico ao decidir se deve continuar vacinando grupos de baixo risco, como crianças e adolescentes saudáveis, sem comprometer outras imunizações cruciais – disse Nohynek.

Os especialistas também recomendam uma dose de reforço contra a Covid-19 seis meses ou mais após a anterior para mulheres grávidas.

Por outro lado, mostraram preocupação com a redução que a pandemia produziu nos programas de vacinação contra o sarampo, com cerca de 25 milhões de crianças afetadas, o que causou a menor taxa de cobertura desde 2008.

*EFE

Leia também1 EUA aumentam preços de vistos para turistas e estudantes
2 Zelensky: Rússia danificou e saqueou 500 igrejas na Ucrânia
3 Fogo em centro de migrantes entre o México e os EUA mata 39
4 EUA: Autora do ataque em escola cristã era uma pessoa trans
5 Evangelismo de jovens do Brasil na Ucrânia gera vidas para Jesus

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Canal
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.