Leia também:
X Ômicron: Países já relatam casos de transmissão comunitária

OMS confirma que variante Ômicron é ‘muito transmissível’

Entidade destaca, porém, que não foram identificadas mortes relacionadas à nova cepa até o momento

Thamirys Andrade - 03/12/2021 12h55 | atualizado em 03/12/2021 16h01

coronavirus covid-19-5009609_1280
Coronavírus Foto: Pixabay

A cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, classificou nesta sexta-feira (3) a variante Ômicron do novo coronavírus como “muito transmissível”. Ela salienta, contudo, que não deve haver “pânico”, pois o mundo está “mais bem preparado” para lidar com a cepa.

– Até que ponto devemos ficar preocupados? Precisamos estar preparados e cautelosos, não entrar em pânico, porque estamos em uma situação diferente de um ano atrás – frisou ela durante entrevista coletiva.

Também em entrevista nesta sexta-feira (3), o porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS), Christian Lindmeier, informou que, até o momento, não há nenhuma morte relacionada à variante.

– Ainda não vi relatos de mortes relacionadas a Ômicron. Quanto mais os países continuarem testando as pessoas e olhando especificamente para a variante Ômicron, [mais] encontraremos mais casos, mais informações e, espero que não, também possivelmente mais mortes – assinalou Lindmeier.

O porta-voz da OMS reiterou ainda a importância de as farmacêuticas já se prepararem para a possível necessidade de versões atualizadas dos imunizantes.

– É muito recomendável que os fabricantes de vacinas já comecem a planejar com antecedência e planejem a probabilidade de ter que ajustar a vacina existente.

Em entrevista ao portal Pleno.News, o infectologista e professor de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o Dr. Edimilson Migowski, afirmou que a tendência das mutações é a de que o vírus se torne cada vez mais transmissível e menos mortal.

– A tendência é essa. Não é do interesse do vírus matar. Ele quer entrar no paciente, se replicar e passar para outra pessoa. Quando o vírus é muito agressivo a ponto de matar 100% das pessoas que ele infecta, ele não se perdura – explicou.

Leia também1 Ômicron: Países já relatam casos de transmissão comunitária
2 Brasil tem 5 casos confirmados da Ômicron e 8 suspeitos
3 OMS admite que Ômicron pode diminuir eficácia de vacinas
4 "Não suportaremos mais um lockdown", afirma Bolsonaro
5 Clínica chamada Ômicron quer proibir OMS de usar nome

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.