Leia também:
X Trump: “Querem processar os que vão à igreja, mas não os que queimam”

Nuvem de gafanhotos avança pela Argentina rumo ao Brasil

Um quilômetro quadrado de nuvem pode ter até 40 milhões de insetos

Paulo Moura - 23/06/2020 14h46 | atualizado em 23/06/2020 15h51

Nuvem de gafanhotos ataca lavouras na Argentina Foto: Divulgação/Governo da Província de Córdoba

Uma nuvem de gafanhotos que veio do Paraguai, onde destruiu lavouras de milho, está próxima de chegar no território brasileiro após alcançar a Argentina. De acordo com autoridades do governo argentino, a chegada da nuvem no país ocorreu no fim da semana passada e deve acontecer também no Brasil, onde os locais atingidos devem ser a parte oeste do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, com chance de oferecer risco às plantações.

Segundo o engenheiro agrônomo argentino Héctor Medina, em entrevista à agência Reuters, um quilômetro quadrado de nuvem pode ter até 40 milhões de insetos, que consomem em um dia pastagens equivalentes ao que 2 mil vacas ou 350 mil pessoas comem.

View this post on Instagram

Uma nuvem de gafanhotos que veio do Paraguai, onde destruiu lavouras de milho, está próxima de chegar no território brasileiro após alcançar a Argentina. De acordo com autoridades do governo argentino, a chegada da nuvem no país ocorreu no fim da semana passada e deve acontecer também no Brasil.⠀ ⠀ Saiba mais em nosso site (link na bio @plenonews) e nos stories.⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀ #PlenoNews #Gafanhotos #NuvemDeGafanhotos #Paraguai #Argentina #Brasil ⠀

A post shared by Pleno.News (@plenonews) on

As regiões mais atingidas na Argentina são as províncias de Santa Fé, Formosa e Chaco, onde há forte produção de cana-de-açúcar e mandioca e a condição climática é favorável aos insetos. O governo argentino também destaca que os gafanhotos podem passar por vilas e cidades, mas não causam danos diretos aos seres humanos, apenas o risco para plantações e pastagens.

No início do ano, outra grande nuvem dos insetos atingiu a África, entre os países mais atingidos pela praga apareceram o Quênia, a Somália e Etiópia. Na Somália e na Etiópia as nuvens foram as maiores dos últimos 25 anos. Já no Quênia, a presença dos insetos foi a pior em sete décadas.

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.