‘Não é sobre armas’, diz Trump de tiroteio em Igreja Batista

Atentado que fez 26 vítimas foi o maior da história do estado americano do Texas

Pleno.News - 06/11/2017 07h37

Presidente dos EUA, Donald Trump, fez declaração durante coletiva no Japão Foto: EFE/EPA/Michael Reynolds

O presidente norte-americano, Donald Trump, declarou que o tiroteio que chocou o estado do Texas nesse domingo não tem relação com a lei permissiva de armas no estado. A declaração foi feita nesta segunda-feira (6) durante coletiva no Japão.

Trump disse ainda que o atirador era “um indivíduo muito perturbado, com muitos problemas” e que tinha “um problema de saúde mental no mais alto nível”, lembrando o mesmo discurso que fez após o tiroteio em Las Vegas.

– Não é uma situação que se possa atribuir às armas – concluiu o presidente durante a coletiva. Os jornalistas lembraram que o estado do Texas é o mais permissivo no controle de porte de armas de fogo, que podem ser usadas até em universidades e supermercados.

O tiroteio na Igreja Batista, que deixou 26 mortos e outros 20 feridos, deu maior força à discussão sobre controle de armas, que acirra o campo político entre democratas e republicanos nos Estados Unidos. De um lado, democratas pedem maiores restrições, enquanto o partido de Trump defende o porte.

A discussão é polêmica no país em que existem mais armas do que veículos – 265 milhões de armas, contra 263,6 milhões de carros, de acordo com o Departamento de Transporte dos EUA. Além disso, Trump teve sua campanha apoiada pela Associação Nacional de Rifles e criticada por pacifistas.

Trump está em viagem diplomática pela Ásia durante 12 dias. Nesta segunda, ele se encontrou com o primeiro-ministro e a primeira-dama do Japão e falou sobre os acordos comerciais com o país. O presidente americano chegou a fazer críticas, dizendo que os Estados Unidos estavam saindo no prejuízo, mas manteve a relação aberta.

LEIA TAMBÉM
+ Atirador invade Igreja Batista no Texas e mata dezenas
+ Líder da Catalunha se entrega a autoridades da Bélgica
+ Síria: Estado Islâmico mata dezenas com carro-bomba