Leia também:
X Meganavio encalhado em Suez volta a flutuar após seis dias

Maduro acusa presidente da Colômbia de buscar confronto

Mandatário venezuelano diz que Iván Duque está por trás de um plano que gerar conflito militar entre os países

Pleno.News - 29/03/2021 09h21 | atualizado em 29/03/2021 09h23

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro Foto: EFE/Prensa Miraflores

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou neste domingo (28) o mandatário da Colômbia, Iván Duque, de estar por trás de um plano que busca gerar um confronto militar entre ambos os países, em meio a uma operação venezuelana contra grupos armados irregulares na fronteira.

– Muito cuidado para cair em provocações ou criar provocações, pois querem escalar um conflito militar entre forças de Colômbia e Venezuela. É o que chamam na geopolítica de guerra dos cães, e (o presidente colombiano Iván) Duque está envolvido neste plano de escalada de um confronto violento, está à procura dele – disse o governante venezuelano aos líderes das Forças Armadas do país, entre eles o ministro da Defesa, Vladimir Padrino, que o acompanhou em discurso televisionado.

Maduro fez essas declarações ao analisar a operação das Forças Armadas venezuelanas contra grupos armados irregulares no estado de Apure, na fronteira com a Colômbia. Segundo algumas ONGs, esses grupos são formados por dissidentes da guerrilha desmobilizada Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

O presidente insistiu na denúncia de que esses grupos têm o “apoio do Comando Sul” dos Estados Unidos e do governo colombiano, dois países com os quais a Venezuela não mantém relações amistosas.

– A esta hora, o Comando Sul e o governo colombiano devem estar preparando ações de vingança contra unidades militares naquela área (da Venezuela). Querem intensificar um ataque poderoso contra a unidade militar, um massacre contra as nossas Forças Armadas (que gera) uma resposta enérgica e depois inicia um confronto direto entre as forças militares da Colômbia e as forças da Venezuela – afirmou Maduro.

Como consequência dos combates em Apure, que começaram no domingo da semana passada, dois militares venezuelanos foram mortos, seis terroristas foram “neutralizados” e 27 outros suspeitos foram capturados e colocados às ordens de um tribunal militar, disse Padrino no sábado.

Os combates também causaram o deslocamento de cerca de 4 mil venezuelanos, que fugiram para a Colômbia para escapar da violência. De acordo com Padrino, a maioria deles começou a voltar ao país porque “está tudo seguro” na área onde ocorreram os primeiros combates.

*EFE

Leia também1 Meganavio encalhado em Suez volta a flutuar após seis dias
2 Carga com filhotes de tartaruga é barrada em aeroporto
3 China sofre segunda tempestade de areia em duas semanas
4 'Passaporte sanitário' da UE estará disponível até junho
5 Atentado terrorista em catedral da Indonésia deixa 20 feridos

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.