Leia também:
X Vídeo: Magno Malta pergunta a Zanin se “Lula foi descondenado”

Jornal britânico diz que Biden interferiu nas eleições de 2022

A estratégia durou "quase um ano", diz ex-embaixador dos EUA no Brasil

Priscilla Brito - 21/06/2023 17h29 | atualizado em 22/06/2023 07h06

 presidente dos EUA, Joe Biden, Ex-presidente da República, Jair Bolsonaro e Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva
Joe Biden, Jair Bolsonaro e Luiz Inácio Lula da Silva Foto: EFE/EPA/Jim Lo Scalzo, Isac Nóbrega/PR e Ricardo Stuckert/PR

Nesta quarta-feira (21), vésperas do julgamento de uma das ações que pode tornar o ex-presidente Jair Bolsonaro inelegível, o jornal britânico Financial Times revelou que o governo dos Estados Unidos interferiu na Eleição Presidencial do Brasil de 2022.

De acordo com o veículo, após as duras críticas de Bolsonaro sobre as urnas eletrônicas, Biden suspostamente teria pressionado líderes políticos e militares brasileiros a respeitarem a democracia do país.

O jornal britânico também afirmou que na época, o então vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos-RS), o ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP) e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) atuaram como mediadores. Os três levavam para Bolsonaro mensagens do governo dos EUA sobre a importância de “proteger a integridade das eleições”.

De acordo com o Financial Times, Biden tinha como objetivo deixar claro o seguinte recado: “Washington não toleraria qualquer tentativa de questionar o processo de votação ou o resultado”.

Para entender como Biden interferiu nas eleições, seis ex-funcionários dos EUA foram ouvidos pelo Financial Times. De acordo com Michael McKinley, ex-funcionário do departamento de estado e ex-embaixador dos EUA no Brasil, a estratégia de pressionar políticos e lideranças militares do Brasil para que “respeitassem e salvaguardassem a democracia” brasileira durou “quase um ano”, tendo começado ainda em 2021.

– Foi quase um ano civil de estratégia, sendo feito com um objetivo muito específico, não de apoiar um candidato brasileiro em detrimento de outro, mas muito focado no processo [eleitoral], em garantir que o processo funcionasse – disse.

Ainda de acordo com o jornal britânico, o governo dos EUA realizou uma campanha coordenada, sem anúncios e em diversos setores dos governos americano e brasileiro, incluindo as Forças Armadas, a CIA, o departamento de Estado, o Pentágono e a Casa Branca.

Leia também1 Zanin se queixa de ser chamado de "advogado pessoal" de Lula
2 Nº 2 do Exército nega ideia de golpe: "Tanto que não demos"
3 Papa falou com Lula sobre situação política na América
4 Em sabatina, Zanin defende regulamentação das redes
5 Lula indica ex-chanceler de Jair Bolsonaro para embaixada

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.