Leia também:
X Alemanha ‘fabricou’ estudo para defender lockdown, diz jornal

Japão aprova vacina da Pfizer a cinco meses das Olimpíadas

Objetivo é imunizar a maior parte de sua população até julho

Pleno.News - 14/02/2021 12h23 | atualizado em 14/02/2021 12h28

Yoshihide Suga, primeiro ministro japonês Foto: EFE/EPA | Nicolas Datiche/Pool

O Japão aprovou formalmente neste domingo o uso da vacina desenvolvida pela Pfizer contra a Covid-19 para iniciar sua campanha de vacinação na próxima quarta-feira (17) com o objetivo de imunizar a maior parte de sua população até julho.

O Ministério da Saúde, Trabalho e Previdência informou hoje o procedimento formal depois que uma comissão do governo, na última sexta, havia se pronunciado a favor da aprovação da vacina.

A aprovação rápida da vacina é um passo importante no controle da infecção em um país que planeja sediar os Jogos Olímpicos em menos de seis meses.

O Japão recebeu a primeira remessa de 400 mil doses da vacina da Pfizer na sexta-feira (12).

O primeiro a receber a dose será um grupo de 20 mil médicos e enfermeiras que se ofereceram para avaliar os possíveis efeitos dos duas vacinas que são necessárias.

Em seguida, no mês de março, cerca de 3,7 milhões de profissionais da saúde e aproximadamente 36 milhões de pessoas com mais de 65 anos seriam vacinadas.

Embora o Japão tenha sido atingido pela terceira onda neste inverno, no hemisfério norte, e atualmente mantenha o alerta de saúde ativado, o país registrou muito menos infecções em comparação com outras grandes economias.

*EFE

Leia também1 Johnson mostra otimismo e pode afrouxar lockdown em breve
2 Vacina de Oxford será testada em crianças e adolescentes
3 Doria sanciona lei que multa em até R$ 99 mil fura-fila de vacina
4 Anvisa aprova importação de mais doses da vacina de Oxford
5 Covid-19: Total de vacinados no Brasil chega a 4,9 milhões

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.