Leia também:
X Cientistas encontram gás que aponta chance de vida em Vênus

Investindo em vacinas, Bill Gates ‘prevê’ fim da pandemia em 2022

Magnata disse que não está tão otimista com o futuro próximo

Gabriela Doria - 15/09/2020 11h57 | atualizado em 15/09/2020 12h43

Bill Gates prevê fim da pandemia só em 2022 Foto: Reprodução

O fundador da Microsoft, Bill Gates, estima que a pandemia do novo coronavírus chegue ao fim apenas em 2022. Segundo ele, apesar das vacinas promissoras, a tendência é que em 2021 o número de mortes seja apenas reduzido, e que a doença ainda continue circulando com menos alcance. Para Gates, tudo dependerá da aprovação das vacinas.

– Se forem eficazes [vacinas], mesmo com um nível de vacinação de 60%, devemos ser capazes de impedir a propagação exponencial da doença. O próximo ano será aquele em que reduziremos o número de mortos e em 2022 a pandemia terminará – disse Gates ao jornal italiano La Stampa.

Ainda na entrevista, o magnata da tecnologia, que também está investindo na pesquisa e produção de vacinas, afirmou que a primeira vacina a ser usada ainda não deve ser a mais eficaz.

– A primeira vacina pode não ser a definitiva e mais estudos serão necessários nas secundárias para ver qual é a mais eficaz. A Fundação Gates está mais focada naquelas que podem ser produzidas em grande escala, com um baixo custo unitário entre 2 e 3 dólares por dose. Isso inclui AstraZeneca Oxford, Novavax, Johnson & Johnson e Sanofi. Vamos tentar ver se funciona e ao mesmo tempo construir uma capacidade de produção global, para chegar a mais de um bilhão e meio de doses por ano – planeja.

Leia também1 China poderá começar a vacinar população a partir de novembro
2 Conheça todas as vacinas contra Covid-19 em desenvolvimento
3 Anvisa autoriza retomada de testes da vacina de Oxford
4 Vacina da Oxford pode ser concluída até o final do ano
5 Brasil testará BCG, vacina da tuberculose, contra a Covid-19

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.