Leia também:
X Covid: FMI defende seguro de vacinas contra novas variantes

Hungria proíbe a ‘promoção da homossexualidade’ entre menores

País conservador criou lei que restringe conteúdos culturais

Gabriela Doria - 15/06/2021 18h46 | atualizado em 15/06/2021 19h04

Hungria cria lei que proíbe promoção de comportamento LGBT entre menores Foto: Unsplash/Sharon McCutcheon

A Hungria decidiu proibir, nesta terça-feira (15), a “promoção” do comportamento homossexual entre os menores de idade. Para isto, o governo conservador de Viktor Orban criou uma lei que virou motivo de preocupação e crítica por parte de associações de defesa dos direitos humanos.

A lei foi aprovada praticamente por unanimidade no Parlamento, com 157 votos a favor e apenas um contra. Entre outras coisas, o texto trata da proibição de veiculação de conteúdos pornográficos ou que “promovam” supostos “desvios de gênero”.

– A pornografia e os conteúdos que representam a sexualidade ou promovam o desvio da identidade de gênero, a mudança de sexo ou a homossexualidade não devem ser acessíveis a menores de 18 anos – diz o texto consultado pela AFP.

Na prática, a nova norma pode proibir a veiculação de programas de educação sexual e até de empresas privadas que se mostrem solidárias à comunidade LGBT. A medida faz parte da promessa de Orban em instaurar uma “nova era” cultural que defenda valores cristãos e conservadores.

A lei entrou em vigor sob protestos da população, que denunciam uma suposta “propaganda permanente” contra a comunidade LGBT do país.

Quem desrespeitar a lei estará sujeito a pesadas multas.

Leia também1 Biden polemiza ao trocar "mães" por "pessoas que deram à luz"
2 LGBT: Estúdio Marvel confirma personagem com gênero-fluido
3 Embaixada dos EUA no Vaticano exibe bandeira do orgulho LGBT
4 Nickelodeon insere parada LGBT e animais trans em desenho
5 Maior igreja cristã da Suécia se autodenomina "trans"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.