Leia também:
X Mundo tem menor número de mortos por Covid desde julho

Herdeira da Gucci diz que mãe permitiu abusos do padrasto

Bisneta do fundador da Gucci apresentou denúncia nesta semana

Pleno.News - 10/09/2020 18h17 | atualizado em 10/09/2020 19h06

Loja da grife Gucci Foto: Reprodução/Gucci

Alexandra Zarini, bisneta do fundador da marca de roupas de luxo Gucci, Aldo Gucci, denunciou nesta semana que foi abusada sexualmente dentro da sua própria casa, em Los Angeles, desde os 6 anos de idade, segundo publicou nesta quinta-feira (10) a imprensa local. De acordo com uma queixa apresentada no Tribunal Superior de Los Angeles, Zarini, agora com 35 anos, foi abusada sexualmente repetidamente por seu ex-padrasto, Joseph Ruffalo, com o consentimento de sua mãe, Patricia Gucci, e o conhecimento de sua avó, Bruna Palombo.

Nesta quinta, o jornal Los Angeles Times publicou um relato de Alexandra que ela estava ciente de que o abuso iria acontecer novamente toda vez que ouvia o tilintar do gelo no copo de uísque que Ruffalo carregava enquanto caminhava para o quarto da menina.

Nessa acusação, Zarini argumenta que sua mãe a convidou para dormir com seu então namorado, Ruffalo, que estava nu e que a menina acordou mais tarde com as mãos nos órgãos genitais do homem.

Quando sua mãe se casou com Ruffalo, dois anos depois, o abuso “continuou e se intensificou”, de acordo com a ação judicial, que a Agência Efe teve acesso. Zarini relatou que Ruffalo “cambaleou pelo corredor” até o quarto dela, tirou o roupão, deitou na cama e a tocou; um abuso que supostamente ocorreu “com certa regularidade durante sua infância e quando se tornou uma jovem adulta”.

Ela também acusou sua mãe, Patricia, de permitir o suposto abuso sexual de seu agora ex-marido, e disse também que sua avó, Bruna Palombo, sabia das agressões sexuais, mas mandava sua neta “a calar a boca e revelar nada”, de acordo com o documento do Tribunal.

Uma das consequências de entrar com uma ação judicial contra a família será que Zarini perderá a fortuna que herdou, segundo sua advogada, Deborah Mallgrave, citada pelo jornal.

Em um vídeo postado por sua equipe jurídica, Alexandra Zarini alertou que o suposto agressor, Ruffalo, “ainda mora na Califórnia, passa o tempo no Bel-Air Country Club e é voluntário em hospitais com crianças”.

– Isso não é algo que acontece apenas com outras famílias, outros bairros ou outros países. Está em todo lugar – acrescentou Zarini, em vídeo publicado nas redes sociais.

Em declarações ao jornal The New York Times, o advogado de Ruffalo, Richard Crane Jr., disse que seu cliente não recebeu formalmente os documentos do tribunal e nem está “familiarizado” com as acusações.

– O que foi relatado, (Ruffalo) nega veementemente e enfaticamente. Enquanto era casado com a mãe de Alexandra, o Sr. Ruffalo e sua esposa estavam muito preocupados com o bem-estar mental de Alexandra e tomaram medidas para lidar com sua instabilidade. Aparentemente, seus esforços falharam – afirmou a defesa.

Por outro lado, a mãe de Alexandra, Patricia Gucci, também se defendeu, garantindo que as acusações contra ela e sua mãe, a avó da suposta vítima, são “completamente falsas”.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Justiça absolve empresário acusado de estuprar blogueira
2 Governo deve criar cadastro nacional de estupradores
3 SP: Menina estuprada na volta da escola será indenizada
4 Polícia Federal faz operação contra pornografia infantil
5 Jovem é estuprada por paramédico ao ser socorrida

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.