Leia também:
X Comissão Europeia não renova pedido por vacinas de Oxford

Fungo raro e perigoso ‘mutila’ pessoas com Covid na Índia

Infecção ataca a face, o cérebro e os pulmões, levando à remoção de partes do corpo ou mesmo à morte

Thamirys Andrade - 09/05/2021 13h50 | atualizado em 09/05/2021 14h09

Ligação entre a Covid-19 e a mucormicose pode estar ocorrendo por meio de esteroides Foto: Reprodução

Alguns pacientes com a Covid-19 na Índia têm lutado também contra um fungo raro e agressivo, que pode levar a “mutilações”, ou mesmo a morte. Conhecida como mucormicose, a doença tem se tornado cada vez mais numerosa no país, especialmente entre os mais jovens.

O fungo afeta os seios da face, o nariz, os olhos, o cérebro e os pulmões. Se não tratado a tempo, pode ser necessária a remoção das partes do corpo infectadas, como olhos e mandíbula, para que a doença não se espalhe pelo corpo.

A mucormicose tem taxa de mortalidade geral de 50%, e pode ser fatal no caso de pacientes imunodeprimidos, como pessoas com câncer ou HIV.

Médicos acreditam que a relação entre a Covid-19 e o fungo se dê por meio de esteroides, que têm sido utilizados em pacientes com graves inflamação nos pulmões. Além de ajudar a reduzir a pneumonia, os compostos auxiliam ainda a interromper danos no sistema imunológico no combate ao vírus.

A consequência, porém, é que os esteroides podem elevar os níveis de açúcar e reduzir a imunidade, o que pode estar desencadeando a série de casos de mucormicose.

O único tratamento contra a infecção consiste em doses de injeção intravenosa antifúngica, que custam 3,5 mil rúpias (R$ 250) diariamente durante até oito semanas.

Leia também1 Comissão Europeia não renova pedido por vacinas de Oxford
2 Suspender patentes não é solução contra Covid, diz UE
3 Covid: Papa defende suspensão de patentes das vacinas
4 Estudo mostra eficácia da Pfizer em evitar casos sintomáticos
5 Vacinados contra a Covid-19 no Brasil chegam a 34,9 milhões

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.