Leia também:
X OMS orienta Ucrânia a destruir patógenos em laboratórios

Facebook e Instagram autorizam posts que pedem morte de Putin

Empresa Meta "suavizou" política sobre discursos que incitam violência

Monique Mello - 11/03/2022 13h17 | atualizado em 11/03/2022 14h31

Vladimir Putin, presidente da Rússia Foto: EFE/EPA/MIKHAIL KLIMENTYEV / KREMLIN / SPUTNIK / POOL

A plataforma Meta, que controla o Facebook e o Instagram, suavizou normas, autorizando temporariamente postagens com discursos violentos contra soldados russos e pedindo a morte do presidente da Rússia, Vladimir Putin. A informação foi divulgada pela agência de notícias Reuters, que teve acesso a e-mails da empresa, nesta quinta-feira (10).

Em uma das mensagens, a Meta deixa claro que o motivo da medida é a guerra instaurada na Ucrânia com a invasão do exército russo.

– Como resultado da invasão russa da Ucrânia, temporariamente permitimos formas de expressão que normalmente violariam nossas regras, como discurso violento como “morte aos invasores russos”. Ainda não permitiremos apelos credíveis à violência contra civis russos – diz o texto.

Além de posts pedindo a morte de Vladimir Putin, também serão permitidos os mesmos tipos de postagens contra o presidente da Bielorrússia, Aleksandr Grigorievitch Lukashenko. A condição é que não contenham os chamados “indicadores de credibilidade”, como localização dos alvos e método a ser utilizado.

– Estamos emitindo uma permissão para quando [….] (a) alvejar soldados russos, EXCETO prisioneiros de guerra, ou (b) alvejar russos quando é claro que o contexto é a invasão russa da Ucrânia (por exemplo, o conteúdo menciona a invasão, autodefesa etc.) – diz outro texto revelado pela agência de notícias.

Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, em conversa com Vladimir Putin Foto: EFE/EPA/MIKHAIL KLIMENTYEV / KREMLIN POOL / SPUTNIK

No último dia 4 de março, o governo da Rússia havia decidido bloquear o acesso ao Facebook no país. A decisão partiu do Roskomnadzor, o órgão estatal regulador da mídia. Segundo ele, a medida foi tomada por causa de suposta discriminação e restrição contra conteúdos da mídia estatal russa pela rede social.

Leia também1 Vladimir Putin indica avanço nas negociações com Ucrânia
2 Rússia reforçará presença nas fronteiras com países da Otan
3 Rússia admitiu uso de bombas termobáricas, diz Reino Unido
4 Rússia dá 'ultimato' e ameaça nacionalizar multinacionais
5 Ex-Miss Ucrânia conta como escapou durante bombardeio

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.