Leia também:
X Após 12 dias, marido da rainha Elizabeth II muda de hospital

Ex-presidente francês, Sarkozy é condenado por corrupção

Político deverá cumprir três anos de prisão

Pleno.News - 01/03/2021 11h47 | atualizado em 01/03/2021 12h12

Ex-presidente francês Nicolas Sarkozy Foto: EFE/Ian Lagsdon

O ex-presidente da França Nicolas Sarkozy foi condenado a três anos de prisão nesta segunda-feira (1º). O Tribunal Criminal de Paris considerou Sarkozy culpado pelos crimes de corrupção e tráfico de influência no que ficou conhecido como “caso da escuta telefônica”. O veredicto foi apresentado no começo da tarde (no Brasil, da manhã pelo horário de Brasília).

O tribunal considerou que houve um “pacto de corrupção” entre Sarkozy, o advogado Thierry Herzog e o ex-juiz Gilbert Azibert, pelos mesmos crimes. Os dois receberam a mesma pena do ex-presidente, tendo Herzog recebido uma punição adicional de proibição de exercer a advocacia por cinco anos.

A pena do líder francês foi menor do que o pedido pela acusação. Durante o julgamento, a promotoria pediu que o político de 66 anos fosse condenado a quatro anos, dos quais deveria cumprir pelo menos dois na prisão.

Durante seu testemunho, o ex-presidente disse que foi vítima de mentiras e negou a prática de qualquer ato de corrupção.

– Nunca. Nunca abusei da minha influência, alegada ou real. Que direito eles têm de me arrastar através da lama assim por seis anos? Não há lei? – disse ele ao tribunal em dezembro passado.

ENTENDA O CASO
O caso pelo qual o ex-presidente francês foi condenado se iniciou em meio a uma outra investigação sobre o suposto financiamento da Líbia (na época governada pelo ditador Muammar Kadafi), na campanha de Sarkozy em 2007. Por meio de uma escuta telefônica, os promotores identificaram um diálogo entre Sarkozy e seu advogado Thierry Herzog.

Segundo a acusação, o ex-presidente teria se oferecido para garantir um ótimo emprego em Mônaco para o juiz Gilbert Azibert, principal magistrado do Tribunal de Apelações da França na época. Em troca de informações, ele receberia informações confidenciais sobre uma terceira investigação, que apurava supostos pagamentos ilegais da herdeira Liliane da L’Oreal Bettencourt na campanha presidencial de 2007.

*Estadão

Leia também1 CPAC: Trump diz que voltará à Casa Branca e não criará novo partido
2 Putin diz estar pronto para restaurar relações com EUA
3 Após 12 dias, marido da rainha Elizabeth II muda de hospital
4 Após despedida, embaixador de Israel elogia Bolsonaro: 'Amizade que jamais esquecerei'
5 Embaixador do Vaticano contrai Covid-19 antes de visita do Papa

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.