Leia também:
X Macron admite que errou por ter demorado para comprar vacinas

EUA pedem libertação de Áñez e políticos detidos na Bolívia

País expressou preocupação com "indícios de comportamento antidemocrático"

Pleno.News - 27/03/2021 16h55

Ex-presidente da Bolívia, Jeanine Áñez Foto: EFE/Rodrigo Sura

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, pediu neste sábado (27) a libertação da ex-presidente interina boliviana Jeanine Áñez e de dois ex-ministros, e expressou preocupação com “indícios de comportamento antidemocrático” na Bolívia.

Em comunicado, Blinken expressou a reação mais contundente até agora do governo do presidente Joe Biden à prisão dos três políticos bolivianos, acusados de “sedição terrorismo e conspiração”.

– Os Estados Unidos está profundamente preocupado pelos crescentes indícios de comportamento antidemocrático e a politização do sistema judiciário na Bolívia, após a recente detenção e prisão antes o julgamento de ex-funcionários do governo interino – comentou Blinken.

Sem mencionar diretamente Áñez nem os ex-ministros detidos, Álvaro Coimbra e Rodrigo Guzmán, o chefe da diplomacia americana se referiu em todo momento aos “ex-funcionários” do governo interino.

– Pedimos que o governo boliviano deixe claro o seu apoio à paz, à democracia e à reconciliação nacional, libertando os ex-funcionários detidos enquanto se desenvolve uma investigação independente e transparente sobre os direitos humanos e as preocupações com o devido processo – disse Blinken.

De acordo com o secretário americano, estas detenções “não são coerentes com os ideais democráticos da Bolívia” e “desacreditam os esforços extraordinários de tantos eleitores, candidatos e funcionários públicos bolivianos”.

Blinken acrescentou que há dúvidas sobre a “legalidade” das referidas detenções por serem “baseadas em acusações não comprovadas, pelas aparentes violações do devido processo em sua execução e pela natureza profundamente politizada do trabalho de fiscalização do governo boliviano”.

O chefe da diplomacia americana destacou que ainda espera manter uma “relação sólida e de respeito mútuo” com o governo do atual presidente da Bolívia, Luis Arce, e que tanto as autoridades como os manifestantes bolivianos atuem neste caso com “paz, contenção e respeito”.

Áñez e os ex-integrantes do governo interino da Bolívia são acusados pela crise de 2019, após as eleições fracassadas que resultaram na renúncia de Evo Morales à presidência, o que o atual governo considera ter sido um golpe de Estado.

*EFE

Leia também1 Bolívia: Em carta, Añez denuncia "torturas" desde que foi presa
2 Família denuncia piora da saúde de ex-presidente da Bolívia
3 Conta de Maduro é bloqueada no Facebook após vídeo sobre Covid
4 Bolívia: Ex-ministra pede asilo ao Peru, após prisão de Áñez
5 "Nos preocupam eventos na Bolívia, com autoridades presas"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.