Leia também:
X Covid-19: França suspende 3 mil agentes de saúde não vacinados

EUA, Inglaterra e Austrália selam acordo militar ‘anti-China’

Países irão equipar Forças Navais da Austrália no Oceano Pacífico para barrar avanço da China

Pleno.News - 16/09/2021 12h47 | atualizado em 16/09/2021 13h09

Aliança militar servirá para conter avanço da China no Oceano Pacífico Foto: Pixabay

Os Estados Unidos anunciaram uma nova parceria com a Austrália e o Reino Unido para reforçar as capacidades navais no Pacífico diante da crescente influência da China na região, equipando a nova frota australiana com submarinos nucleares. A aliança foi batizada de AUKUS.

Se o plano se concretizar, o país da Oceania poderá começar a realizar patrulhas de rotina que poderão passar por áreas do mar do Sul da China, região que Pequim reivindica como sua zona exclusiva e que se estenderão até o Taiwan.

O comunicado foi feito pelo presidente americano, Joe Biden, na noite de quarta-feira (15), numa videoconferência que contou ainda com o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, e o britânico, Boris Johnson. Imediatamente, o anúncio provocou uma reação furiosa da China, que não foi citada diretamente pelo trio.

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhao Lijian, disse nesta quinta-feira (16) que o acordo irá “prejudicar seriamente a paz e a estabilidade regionais, exacerbar uma corrida armamentista e dificultar os acordos internacionais de não proliferação nuclear”, informou o Global Times, um jornal chinês controlado pelo Partido Comunista.

– Esta é uma conduta totalmente irresponsável – disse Zhao.

TECNOLOGIA NUCLEAR
Os submarinos movidos a energia nuclear serão mais rápidos, mais difíceis de detectar e potencialmente muito mais letais do que os submarinos movidos a diesel, que a Austrália planeja comprar da França, em uma negociação estimada em 66 milhões de dólares (o equivalente a cerca de R$ 346,8 milhões).

Atualmente, apenas seis nações operam submarinos movidos a energia nuclear. Os Estados Unidos tinham compartilhado a tecnologia apenas com o Reino Unido.

A medida é vista como um passo importante para a Austrália, que nos últimos anos tem hesitado em recuar diretamente em relação aos principais interesses chineses. No entanto, o país tem se sentido cada vez mais ameaçado. Não por acaso, há três anos, a Austrália esteve entre as primeiras nações a proibir a Huawei, empresa gigante chinesa das telecomunicações.

*AE

Leia também1 Covid-19: França suspende 3 mil agentes de saúde não vacinados
2 Macron anuncia morte de líder do Estado Islâmico na África
3 Covid: Papa critica cardeais que se negam a tomar vacina
4 Ministro argentino apresenta renúncia após derrota eleitoral
5 Barroso vai à Rússia observar eleições, cujo voto é impresso

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.