Leia também:
X ONG denuncia Bolsonaro a Tribunal Penal Internacional

EUA exigem que Cuba respeite direitos após proibição de ato

Autoridades de Havana consideram a manifestação "uma provocação"

Pleno.News - 12/10/2021 18h57 | atualizado em 13/10/2021 11h09

Casa Branca Foto: Pixabay

O Departamento de Estado dos EUA exigiu, nesta terça-feira (12), que Cuba “respeite os direitos fundamentais”, após as autoridades cubanas terem proibido um protesto pacífico de opositores em novembro, e afirmou que a não autorização da passeata é “uma recordação” de que o povo cubano sofre “na luta pela liberdade”.

O porta-voz da pasta, Ned Price, pronunciou-se sobre o assunto na entrevista coletiva diária após ser perguntado a respeito da recusa de Cuba de permitir que ativistas da oposição realizassem uma grande manifestação pacífica em 15 de novembro em Havana e outras cidades.

– O que vimos com a proibição de um protesto pacífico é uma recordação de que é o povo cubano está pagando caro na luta pela liberdade – argumentou.

Price negou que os EUA estejam por trás da manifestação e insistiu que o descontentamento em Cuba se deve “às aspirações não satisfeitas do povo cubano [quanto] à liberdade, dignidade e prosperidade”.

– É a liberdade de expressão, a liberdade de reunião pacífica, que o governo cubano negou ao seu povo – acrescentou.

As autoridades de Havana consideram a manifestação “uma provocação” que promove a “mudança de regime” em Cuba e argumentam que, de acordo com a Constituição de 2019, o “sistema socialista” que reina no país há mais de seis décadas é “irrevogável”.

Membros da plataforma virtual de cidadãos Archipiélago solicitaram aos conselhos provinciais autorização para realizar uma “passeata pacífica pela mudança” em 20 de novembro, mas a anteciparam para o dia 15 porque o governo convocou um desfile militar na data inicialmente prevista.

Em Havana, os organizadores esperavam que cerca de cinco mil pessoas participassem de uma passeata que começaria na avenida Malecón e terminaria em frente ao Capitólio Nacional, a sede da Assembleia Nacional (parlamento).

Em Cuba, os direitos à greve e à manifestação não são contemplados fora das instituições estatais, motivo pelo qual, se tivesse sido autorizada, a marcha de 15 de novembro criaria um precedente histórico.

*EFE

Leia também1 ONG denuncia Bolsonaro a Tribunal Penal Internacional
2 EUA: Texas proíbe que empresas exijam certificado de vacina
3 OMS: Vacinas de laboratórios chineses requerem três doses
4 Colombiana que teve eutanásia cancelada processa clínica
5 Príncipe Charles abastece carro com 'queijo' e 'vinho'. Entenda!

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.