Leia também:
X EUA começam campanha de vacinação contra o coronavírus

Envenenamento de Navalny foi ação da antiga KGB, diz jornal

Investigação jornalística é uma parceria entre CNN, Der Spiegel e Belingcat

Pleno.News - 14/12/2020 15h52 | atualizado em 14/12/2020 15h56

Alexei Navalny foi envenenado em aeroporto e ficou internado por semanas Foto: EFE/Alexei Navalny

Um grupo de agentes técnicos em armas químicas do Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB), que é a antiga KGB, a polícia secreta soviética, está envolvido no envenenamento de Alexei Navalny, segundo uma investigação jornalística publicada nesta segunda-feira (14).

O site Bellingcat, em parceria com a revista alemã Der Spiegel e a emissora americana CNN apontaram que em 2017, 2019 e 2020, agentes de uma unidade clandestina especializada no trabalho com substâncias tóxicas seguiram o líder oposicionista em viagens pelo território russo, com destinos coincidindo em 37 oportunidades.

A investigação, baseada em dados de telecomunicação e registros de viagens, identifica três agentes que seguiram Navalny em agosto do ano passado, primeiro a Novosibirsk, onde ele fez campanha para as eleições regionais, e posteriormente à cidade de Tomsk, na Sibéria, onde foi envenenado com um agente do grupo Novichok.

Tratam-se de Alexey Alexandrov e Ivan Osipov, ambos médicos, e Vladimir Panyaev, que eram apoiados e supervisionados por, pelo menos, cinco integrantes da FSB, alguns deles que também chegaram a viajar para o mesmo local em que o líder da oposição ficou internado.

A equipe especial “esteve perto do ativista nos dias e horas do período em que ele foi envenenado”, segundo a investigação, que lembra que as autoridades da Rússia não apuraram criminalmente os fatos, e negam qualquer ligação com o caso.

Segundo as informações obtidas por Bellingat, CNN e Der Spiegel, integrantes da unidade clandestina se comunicaram durante a viagem, com “picos” de comunicação nos momentos anteriores ao envenenamento.

Além disso, houve contato entre os membros do grupo no período da saída de Navalny do hotel em Tomsk, em que estava hospedado, até a chegada ao aeroporto da cidade, de onde embarcou em um avião e se sentiu mal durante o voo.

A equipe clandestina opera sob a fachada do Instituto de Criminalística da FSB, também conhecido como Instituto de Investigação-2 ou Unidade Militar 34435, afirmam os três veículos de comunicação.

O programa estaria sendo supervisionado pelo coronel Stanislav Makshakov, um cientista que havia trabalhado em outra unidade, fechada com o anúncio do fim do programa de armas químicas da Rússia, em 2017, indica o Bellingcat.

O militar era consultado pelos agentes em campo que seguiam Navalny em agosto deste ano e também recebia informações sobre o que era coletado no acompanhamento do oposicionista.

Makshakov, por sua vez, está subordinado ao general Kiril Vasilyev, diretor do Instituto de Criminalística da FSB. Esse último presta contas ao chefe do Centro de Tecnologia Especial da corporação, Vladimir Bogdanov, que é submetido ao diretor do Serviço Federal de Segurança da Rússia Alexandr Bortnikov

O site Bellingcat indica, inclusive, que em pelo menos uma ocasião – possivelmente outras duas -, houve tentativa de envenenar Navalny realizada por agentes da unidade.

A investigação destaca que, durante voo em 2019, o oposicionista sofreu sintomas muito similares aos de agosto do ano passado, quando foi confirmada a intoxicação por agente do grupo Novichok.

*Com informações da agência EFE

Leia também1 Opositor russo diz que Putin está por trás de seu envenenamento
2 Após envenenamento quase fatal, opositor de Putin tem alta
3 "Avião do apocalipse" de Putin tem itens secretos roubados
4 Rússia já começou a vacinar a população com a Sputnik V
5 Caso Robson: Bolsonaro e Putin chegam a acordo por liberação

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.