Leia também:
X Ucrânia: 2 jogadores de futebol morrem servindo na guerra

Em Kharkiv, prédio da polícia fica em chamas após ataque

Ao menos 21 pessoas morreram e 112 ficaram feridas em bombardeios na cidade, informou governante local

Paulo Moura - 02/03/2022 07h42 | atualizado em 02/03/2022 09h51

Prédio da polícia consumido pelas chamas em Kharkiv Foto: Reprodução/Twitter NEXTA

O edifício do Departamento de Polícia de Kharkiv, segunda maior cidade ucraniana, foi bombardeado nesta quarta-feira (2) e ficou em chamas. Vídeos publicados nas redes sociais mostram o prédio sendo consumido pelas chamas e a rua coberta pelos destroços da construção.

De acordo com o governador regional de Kharkiv, Oleg Synegubov, ao menos 21 pessoas morreram e 112 ficaram feridas em bombardeios na cidade do leste da Ucrânia nas últimas 24 horas. As autoridades disseram que ataques com mísseis russos atingiram o centro da cidade, incluindo áreas residenciais.

Segundo o jornal britânico The Guardian, a partir de informações de um comunicado do Serviço de Segurança da Ucrânia, soldados russos teriam desembarcado em Kharkiv por volta de 3h desta quarta-feira (22h de Brasília). De acordo com o órgão, aviões russos desceram com soldados que começaram a lutar contra as forças ucranianas.

Na terça-feira (1°), quando a Ucrânia viveu o 6° dia de ataques, o confronto se intensificou com um míssil sendo disparado contra uma torre de transmissão de TV em Kiev, capital ucraniana, deixando ao menos cinco pessoas mortas, segundo a Ucrânia.

Leia também1 YouTube suspende canal da deputada Bia Kicis por 7 dias
2 'Bolsonaro poderia começar com uma palavra de solidariedade a ucranianos', diz diplomata da Ucrânia
3 Ucrânia: 2 jogadores de futebol morrem servindo na guerra
4 Megacomboio russo cerca Kiev, e sirenes de alerta são acionadas
5 Mastercard e Visa bloqueiam uso de sistema por bancos russos

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.