Leia também:
X Trump nega interesse político em vacina: ‘Quero salvar vidas’

Em carta, Líbano pede comida, remédios e dinheiro ao Brasil

Brasil tem comunidade libanesa de 10 milhões de pessoas

Gabriela Doria - 06/08/2020 21h27

Líbano pede ajuda ao Brasil em carta Foto: EFE/Nabil Mounzer

O governo do Líbano enviou ao Brasil cartas listando itens e bens de necessidade emergencial após a tragédia no porto de Beirute nesta semana. Entre os produtos listados, o país pede comida, medicamentos e até materiais de construção, como vidro, alumínio e material elétrico.

A carta foi disseminada para vários grupos pelo consulado do Líbano em São Paulo. A comunidade libanesa no Brasil, entre nativos e descendentes, chega a 10 milhões de pessoas, número maior do que a própria população do Líbano.

– A explosão, como todo mundo viu, deixou o país numa situação de calamidade lamentável. Já estava passando por uma crise econômica série, uma pandemia difícil e, para piorar, teve a destruição em massa de habitações, de hospitais, depósitos para alimentares no porto além de feridos e dos mortos – disse o governo libanês.

Ainda no documento, Beirute solicita “ajuda médica de qualquer tipo – hospitais de campanha, material cirúrgico e especialmente medicamentos”. Além de alimentos como trigo e farinha, “todo tipo de grãos”, “até poder repor o que foi queimado nos depósitos portuários”.

O pedido também se estende materiais de construção civil, dado o grande número de pessoas que perderam suas casas. O governo também indica que uma “ajuda monetária será bem-vinda”.

Com medicamentos em falta, o governo libanês também pede o envio de insulinas, anticoagulantes, antibióticos, vacinas, remédios para tratar câncer, analgésicos e uma série de outros produtos médicos.

Leia também1 Bolsonaro anuncia que Brasil dará ajuda concreta ao Líbano
2 Beirute: Vídeo mostra noiva surpreendida por explosão
3 Líbano: Homem é resgatado após 16h sob escombros
4 Líbano prende responsáveis por galpão que explodiu
5 Líbano: O que já se sabe e o que ainda falta descobrir

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.