Leia também:
X Jovem brasileiro morre afogado em lago congelado nos EUA

Em 48h, dois paraguaios morrem em ataque de piranhas

Atatques ocorreram no rio Paraguai, que faz fronteira com o Brasil

Gabriela Doria - 08/01/2022 11h13 | atualizado em 08/01/2022 11h16

Dois homens morreram após ataques de piranhas Foto: Reprodução/TV TEM

Em menos de 48 horas, dois homens morreram após serem brutalmente atacados por piranhas no Rio Paraguai, no país vizinho. A última morte foi registrada na terça-feira (4), em Porto Rosário, cidade a 379 quilômetros de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul (MS).

Segundo testemunhas, a última vítima foi um homem de 49 anos, que morreu afogado após ser atacado pelo cardume. Em um vídeo que circula nas redes sociais, ele aparece com o rosto desfigurado.

Representantes da polícia, do Ministério Público e da Prefeitura Naval (semelhante à Marinha, no Brasil) estiveram no local para avaliar as circunstâncias da morte. Peritos concluíram que ele morreu devido a asfixia por submersão. Os especialistas também indicaram que ele teve parte do rosto e dos pés comidos pelos peixes.

– As piranhas representam um risco quando estão em cardumes, porque elas podem atacar [alguém] simplesmente achando que é comida, e as dentadas delas laceram forte. Um ataque massivo pode consumir mesmo parte de pessoas – alerta o biólogo José Milton Longo.

Já o caso anterior ocorreu no domingo (2), enquanto um homem nadava no mesmo rio. Segundo a polícia, a vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu.

Até o momento, não foi registrado nenhum ataque no lado brasileiro do rio Paraguai.

Leia também1 Jovem brasileiro morre afogado em lago congelado nos EUA
2 Homem morre em pé, encostado em carro, e assusta população
3 Médica é achada morta em hotel de Curitiba, e polícia investiga
4 Violência: Jovem mata morador de rua e estupra cadáver
5 México: Carro com 10 corpos é abandonado em praça

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.