Leia também:
X Mulher morre picada por naja, em plano “diabólico” do marido

Prédio que abriga sede do Grupo Clarín sofre ataque na Argentina

Edifício foi atacado com coquetéis molotov

Pleno.News - 23/11/2021 16h08 | atualizado em 23/11/2021 16h40

Edifício que abriga a sede do Grupo Clarín sofre ataque na Argentina Foto: EFE/Demian Alday Estévez

O edifício em que fica a sede do Grupo Clarín, maior conglomerado de comunicação da Argentina, foi atacado com coquetéis molotov, segundo divulgou nesta terça-feira (23) a companhia, que informou que não houve feridos no incidente.

– Lamentamos e condenamos esse grave ato, que, à primeira vista, aparece como uma expressão violenta de intolerância contra um meio de comunicação. Esperamos o urgente esclarecimento e sanção – indicou o grupo, por meio de comunicado.

Segundo informações publicadas no site do jornal Clarín, na noite de segunda-feira (22), pelo menos nove pessoas encapuzadas lançaram de sete a oito artefatos incendiários contra uma das entradas do edifício, que está localizado no bairro de Barracas, em Buenos Aires.

O prédio, no momento do ataque, estava fechado. Os coquetéis molotov atingiram uma porta do hall de acesso, o que chegou a provocar um princípio de incêndio.

– Não foram registradas vítimas nem pessoas feridas – revelou o comunicado emitido pelo Grupo Clarín.

A nota indica que a empresa registrou a ocorrência junto as autoridades, que estão analisando os vídeos que gravaram a ação dos responsáveis pelo ataque.

A investigação do caso ficou a cargo do Juizado Federal de número 9, sob a responsabilidade do juiz Luis Rodríguez, que classificou a ação como de “intimidação pública”.

A Associação de Entidades Jornalísticas Argentinas (Adepa) emitiu um comunicado em que “condena energicamente” o ataque contra a sede do Grupo Clarín.

– É uma expressão violenta de intolerância; um grave atentado à liberdade de expressão – aponta a nota.

No texto, o grupo também pede o “rápido esclarecimento” sobre o caso.

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, manifestou-se nesta terça-feira sobre o ataque, também em tom de condenação ao ato.

– Quero expressar nosso repúdio ao episódio ocorrido na frente da sede do jornal Clarín. A violência sempre altera a convivência democrática. Esperamos que os fatos sejam esclarecidos e [que] os autores sejam identificados a partir da investigação que está em curso – escreveu o chefe de governo, no Twitter.

O ministro de Segurança do país, Aníbal Fernández, também utilizou o Twitter para manifestar repúdio à ação contra o Grupo Clarín.

– Confio que sejam identificados os autores e que os responsabilizem – afirmou.

*EFE

Leia também1 Presidente da Argentina virá ao Brasil para cúpula do Mercosul
2 Cubana conta que foi estuprada por Maradona aos 16 anos
3 Fernández tenta aprovar mais de 100 decretos antes de mudança no Congresso
4 Derrota da esquerda: Fernández perde controle do Congresso
5 Chacra diz que Argentina pode virar Brasil e Constantino rebate

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.