Leia também:
X Centenas têm alucinações com espinafre contaminado; entenda

Dívida da Venezuela com Brasil aumenta e chega a R$ 6,3 bilhões

Débitos são provenientes de empréstimos realizados na época dos governos petistas

Thamirys Andrade - 19/12/2022 11h56 | atualizado em 19/12/2022 12h20

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro Foto: EFE/Miraflores Press

Devido à falta de pagamento, a dívida da Venezuela com o Brasil têm crescido como uma bola de neve e já chegou a 1,225 bilhão de dólares (o equivalente a R$ 6,3 bilhões), segundo dados do Ministério da Economia. Os débitos foram originados em razão de empréstimos realizados pelo país vizinho na época dos governos petistas.

De acordo com informações do jornal Gazeta do Povo, o ministério das Relações Exteriores envia de forma recorrente documentos de cobrança do valor. Entretanto, os ofícios são recebidos pelo governo de Juan Guaidó, que é o presidente interino reconhecido pelo governo de Jair Bolsonaro (PL), mas não possui acesso aos cofres do país.

Os recursos venezuelanos estão sob a gestão de Nicolás Maduro, que segue no poder, apesar da falta de reconhecimento por parte de inúmeros países em razão de eleições consideradas fraudulentas e com perseguição de opositores.

A dívida da Venezuela é referente a acordos com o PT que envolvem serviços de engenharia e empréstimos para a aquisição de aeronaves e alimentos brasileiros.

O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), sinalizou que deve reaproximar o Brasil da gestão de Maduro, mas ainda não está claro se o líder venezuelano voltará a pagar a dívida.

Se tivessem sido pagas como previsto, as parcelas terminariam no ano de 2024. Caso a Venezuela siga inadimplente, o débito aumentará em 214,5 milhões de dólares (cerca de R$ 1,1 bilhão).

Leia também1 Dólar sobe após STF tirar Bolsa Família do teto de gastos
2 Ex-jogador da Argentina expõe crise: "Estamos passando fome"
3 Lula incumbe Geraldo Alckmin de viabilizar vinda de Maduro
4 Papa diz que assinou carta de demissão em caso de doença
5 Detida nos EUA, ativista diz que prefere "morrer a voltar a Cuba"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.