Leia também:
X Biden perdoa os condenados por porte de maconha

Cristã é presa na Inglaterra por criticar ideologia de gênero

Perseguição política contra Caroline Farrow começou em 2019 após discussão no Twitter

Leiliane Lopes - 06/10/2022 22h22 | atualizado em 07/10/2022 11h51

Ela foi acusada de crimes cibernéticos que não cometeu e provou sua inocência Foto: Reprodução

A jornalista cristã Caroline Farrow foi presa na Inglaterra por criticar a ideologia de gênero em seu Twitter. A prisão aconteceu nesta segunda-feira (3), no condado de Surrey, e a profissional estava ao lado de seus filhos.

Farrow comenta que foi acusada falsamente de compartilhar postagens anônimas maliciosas e de assediar usuários em fóruns do site Kiwi Farms em junho.

No momento que as mensagens foram postadas, a profissional estava tocando órgão na missa da Igreja dos Santos Anjos, em Aldershot. Ela é casada com um vigário.

No dia da prisão, segundo o site Daily Mail, a jornalista atendeu a porta e os policiais a levaram para fora. Ela foi revistada e levada para a delegacia onde foi interrogada.

– Em um minuto eu estava fazendo o jantar para meus filhos e no próximo estavam checando minhas meias para ver se havia drogas. Que desperdício absoluto de tempo da polícia – comentou Farrow em entrevista ao canal de TV Britain’s News Channel um dia após a prisão.

Caroline Farrow nega as acusações, mas teve os dispositivos eletrônicos dela, de seus familiares e do escritório paroquial do seu esposo levados.

– É assustador que a polícia possa acreditar na palavra de alguém e simplesmente vir e prendê-lo. Tudo o que eles poderiam dizer é “temos uma alegação que precisa ser investigada – comentou.

A jornalista cristã é ativista pró-vida e pró-família e atua na organização católica CitizenGo. Ela não tem dúvidas de que a prisão faz parte da perseguição política que tem sofrido.

– Fui presa pelo que foi uma discussão no Twitter sobre questões de gênero – revela a profissional que em 2019 foi investigada por usar o pronome errado para se referir a uma menina transgênero e por criticar a mudança de sexo em crianças.

Leia também1 Crianças trans podem escolher qual banheiro usar, diz MPF
2 Peppa Pig terá o primeiro casal gay da história do desenho
3 Boca Rosa admite que perdeu seguidores após apoio a Lula
4 Professor faz ato pró-LGBTQIA+ totalmente nu em universidade
5 Vereadoras LGBTQ+ processam Bolsonaro por falas no Flow

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.